Vice-Governadoria firma parceria com LabTAR

0

Com o propósito de empreender para promover cidadania, a vice-governadora Jaqueline Moraes inicia uma parceria com o Laboratório de Apoio a Rede de Inovação – LabTAR. Ainiciativa tem como parceira a coordenadora e professora do Departamento de Engenharia de Produção da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Miriam de Magdala Pinto.

A parceria está centrada no projeto IRIS – que significa Inspira, Realiza e Impacta Socialmente. O objetivo da iniciativa é o fortalecimento do empreendedorismo de impacto socioambiental positivo. O projeto tem motivado o surgimento de várias pequenas empresas no Brasil, que conjugam os resultados financeiros à geração de benefícios para uma comunidade carente de serviços básicos.

Publicidade Publicidade

Na sede do Iris, na Enseada do Suá, em Vitória, funcionam empresas e uma associação sem fins lucrativos. “Com o propósito que se relaciona fortemente com o Programa Agenda Mulher, da Vice-Governadoria do Estado, dando foco no empreendedorismo de ambos, nós da ÍRIS vemos como extremamente oportuna e sinérgica a relação entre as duas ações e estamos abertos à colaboração e parcerias entre as iniciativas”, pontua a coordenadora do LabTAR, Miriam de Magdala Pinto.

O interesse da vice-governadora Jaqueline Moraes é criar condições para desenvolver projetos de fomento ao empreendedorismo social em parceria com a iniciativa privada. Um dos dados que ela apresenta para atuar no Espírito Santo é o crescimento do número de negócios tocados pelos Microempreendedores Individuais (MEIs).

“Acredito fortemente que é viável aumentar o faturamento e, ao mesmo tempo, acrescentar algo de positivo à sociedade. O negócio pode ser positivo para o mercado e também para a sociedade do entorno. Temos reinventar as relações”, define Jaqueline Moraes.

O foco deste tipo de empreendimento, conhecido como negócio de impacto, está na base da pirâmide social brasileira composta, principalmente, por classes menos favorecidas. NoPaís, aproximadamente 160 milhões de pessoas integram as camadas com faixas de renda mais baixas, segundo o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O programa foi apresentado à vice-governadora. “Pequenos Negócios, Grandes Mulheres”, desenvolvido pelo time Enactus/Ufes Vitória. A explicação sobre o funcionamento foi dada pelo aluno da Ufes, Rogi Cezarino, mostrando que o projeto tem por objetivo capacitar mulheres vítimas de violência doméstica e em situação de vulnerabilidade, a fim de conquistar sua autonomia financeira. Para tanto, o trabalho ocorre em parceria com outro projeto de extensão da Ufes, o Fordan e atua na comunidade de São Pedro, em Vitória, com foco no enfrentamento a violência.

“A gente encontrou em todas as comunidades – São Benedito, em Vitória; Vila Nova de Colares, na Serra e Vila das Torres, em Curitiba (PR) – mulheres jovens, que cuidam sozinhas dos seus filhos e são rejeitadas pelo mercado de trabalho, mas que lutam sempre para dar o melhor para seus filhos e estão dispostas a assumir os riscos de enfrentar o novo, aprendendo uma nova ferramenta, encarando um novo mercado de trabalho e trocando suas experiências como mães com a gente, nos ensinando muito e também ouvindo muito do que levamos para elas”, afirma Rogi Cezarino.

Ele explica ainda que a Enactus, organização internacional sem fins lucrativos da qual é membro se dedicada “a inspirar os alunos a melhorar o mundo através do empreendedorismo”.

Outro exemplo de empresa que integra o Íris é a Eva – um negócio de impacto social que promove para mães em situação de vulnerabilidade social uma capacitação em Gestão de Mídias Sociais, com o intuito de gerar renda e proporcionar seu empoderamento. Ao mesmo tempo, durante a capacitação, são discutidos temas relacionados ao cuidado parental e aos fatores de proteção à criança.

O aluno Athus Cavalini, cofundador da Eva, destaca que “assim, a gente acredita que pode torná-las mães melhores, mais fortes e que proporcionem um desenvolvimento pleno para seus filhos”, sobre o funcionamento da empresa.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.