Foi aprovado na Câmara Municipal de Colatina, durante a sessão desta segunda-feira (08), o projeto de lei 062/2019 de autoria do Executivo Municipal, que tem como objetivo a criação de oito cargos comissionados com valores que variam de R$ 3.600,00 a R$ 5.750,00.

Dos 15 vereadores, votaram contra a matéria a vereadora Audréya (SD), Renan (PHS), Charles (PSB) e Jarjura (PPS).

Publicidade

Os cargos criados são dois de diretor de engenharia, diretores financeiro, administrativo e jurídico, uma vaga cada, todos com o salário  de R$ 5.750,00; e três cargos de assessor das áreas de engenharia, administrativa e financeira, uma vaga para cada área, com o salário de R$ 3.600,00 cada.

Procurada, a Prefeitura Municipal de Colatina informou que, o município possui uma Unidade de Execução de Programa, que fiscaliza os recursos do BID, quanto aos serviços referentes a rede de tratamento de esgoto no município. Esta unidade que é preenchida por oito pessoas será extinta já que os recursos para complementação e término das obras de esgoto no município serão feitos com recursos da Fundação Renova como compensação pelos impactos causados no acidente de Mariana.

A secretaria de comunicação da prefeitura, disse que, para que estes recursos sejam fiscalizados foi preciso criar uma comissão com as mesmas oito pessoas, por isso foi enviado a Câmara Municipal, a criação de comissão de Unidade Administrativa Gestora e que os integrantes serão avaliados pela administração Municipal e devem preencher os requisitos exigidos pela Fundação Renova como parte jurídica, engenharia e outros.

“Como a UEP está sendo extinta esta nova comissão será também extinta e seus integrantes exonerados ao término dos serviços programados para 2023. Se a comissão não for formada o município não poderá receber os recursos para que as obras de saneamento sejam concluídas já que isto é uma exigência da Fundação e duas parcelas estão em atraso dependendo da criação da Comissão para que sejam liberadas e as obras iniciadas”, informou a prefeitura por meio de nota.

Ao todo, com a criação dos “novos” cargos, serão gastos cerca de R$ 557.000,00 ao ano. Em sua fala, na tribuna do legislativo municipal, a vereadora Audreya Motta (SD) disse que o projeto não pode ser avaliado de forma correta, tendo em vista que o projeto foi enviado aos Edis no final da tarde da última sexta-feira (05). “O projeto chegou na Câmara à queima roupa, foi uma tamanha falta de respeito já que não tivemos nem mesmo a oportunidade de apresentar emendas ao projeto. Engraçado é que o relatório de impactos financeiros não está anexo ao projeto”, concluiu.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.