Seis em cada dez brasileiros dizem que reforma da Previdência é necessária, revela pesquisa da CNI

0

Seis em cada dez brasileiros (59%) consideram necessária a reforma da Previdência. A percepção de que as mudanças são imprescindíveis é maior entre os homens, os que têm ensino superior e renda familiar superior a cinco salários mínimos, informa a pesquisa Retratos da Sociedade Brasileira – Reforma da Previdência, divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

“Há uma consciência de que a reforma precisa ser feita. A economia está andando para trás. Está claro que, se não resolvermos este tema, teremos problemas com investimentos, empregos, bem-estar”, avalia o presidente da Findes, Leo de Castro.

Publicidade Publicidade

Ele ainda cita os dados de outras pesquisas, da Confederação Nacional do Transporte (CNT), feita em fevereiro, na qual 4,3% da população se mostrava a favor da reforma da Previdência. “Os números da CNI dizem respeito à realidade de abril. Então, em dois meses, a percepção dessa necessidade cresceu bastante”, completa.

De acordo com o levantamento, 63% dos homens dizem que é preciso reformar a Previdência. Entre as mulheres, o percentual cai para 54%. As mudanças são necessárias para 68% dos entrevistados com ensino superior e para 73% dos que têm renda familiar acima dos cinco salários mínimos. A reforma também tem o apoio da maioria dos que ganham menos e com menor grau de escolaridade: 52% dos que completaram até a quarta série do ensino fundamental e 51% e dos que recebem até um salário mínimo acreditam que o sistema precisa mudar.

“A maioria da população já reconhece que a reforma da Previdência é indispensável para o país”, afirma o presidente da CNI em exercício, Paulo Afonso Ferreira. Ele destaca que as mudanças na Previdência são urgentes e imprescindíveis para assegurar o pagamento futuro de milhões de aposentados e beneficiários do sistema e para garantir o equilíbrio das contas públicas.

“As mudanças no sistema atual de aposentadorias são essenciais para incentivar o retorno dos investimentos, do crescimento sustentado e da necessária modernização do país”, acrescenta Ferreira. “Se o país não resolver a questão do déficit da Previdência, a sociedade terá que arcar com os custos de elevação da carga tributária e com a falta de recursos para áreas em que a atuação do setor público é fundamental, como saúde, educação, segurança e infraestrutura. Todos os brasileiros serão prejudicados”, alerta o presidente da CNI em exercício.

No entanto, apenas 36% da população conhecem a proposta do governo em tramitação no Congresso Nacional.  Entre essas pessoas, só 6% dizem ter amplo conhecimento do texto e 30% conhecem os principais pontos. Entre os que dizem conhecer o texto, 51% são contra e 39% são a favor a proposta.

A pesquisa mostra ainda que 83% dos brasileiros não estão dispostos a pagar mais impostos para manter o atual sistema previdenciário. E mais: 59% dos entrevistados defendem que o problema da falta de dinheiro da Previdência deve ser resolvido com mudanças nas regras de aposentadorias e pensões.

Para 33% dos brasileiros, as regras deveriam mudar apenas para quem ainda não contribui para a Previdência. Outros 26% dizem que o sistema deve mudar para quem já contribui, mas ainda não se aposentou, enquanto que apenas 21% defendem a manutenção das regras atuais e que o dinheiro necessário para cobrir o déficit deveria vir do aumento dos impostos.

IGUALDADE DE DIREITOS – Oito em cada dez brasileiros (79%) sabem que as regras de aposentadoria não são iguais para todos, e sete em cada dez pessoas concordam que a existência de regras diferentes prejudica o restante da população. Entre os entrevistados, 71% concordam total ou parcialmente que todos deveriam estar sujeitos às mesmas normas, enquanto que 26% discorda da igualdade das regras de acesso à aposentadoria.

Mas quando perguntados sobre manutenção de regras diferentes de alguns grupos, 62% concordam que as mulheres tenham normas diferentes das dos homens. A maioria dos brasileiros também defende que os trabalhadores rurais tenham aposentadorias diferentes dos urbanos, que professores, policiais e militares tenham regras diferentes das dos demais profissionais.

Além disso, cresce a percepção sobre a necessidade de o Brasil estabelecer uma idade mínima para a aposentadoria, um dos principais pontos da reforma em tramitação no Congresso. Nesta pesquisa, 72% disseram que são a favor da idade mínima, número maior do que os 65% registrados em 2016. “Os resultados indicam que a população está criando cada vez mais consciência da necessidade de uma idade mínima de aposentadoria, posto que as pessoas estão vivendo cada vez mais tempo”, diz a pesquisa.

Também está aumentando a percepção de que os brasileiros se aposentam mais cedo do que em outros países. Em 2015, 18% acreditavam que no Brasil as pessoas se aposentam mais cedo do que em países desenvolvidos, como Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra e França. Esse percentual aumentou para 24% neste ano.

“Ou seja, essa percepção, que é a correta, cresceu 6 pontos percentuais entre 2015 e 2019, mostrando melhora do conhecimento da população quanto ao assunto”, avalia a CNI. A idade média de aposentadoria no Brasil é de 58 anos. Nos Estados Unidos, a idade mínima de aposentadoria é de 66 anos, na Alemanha e na Inglaterra, de 65 anos, e, na França, de 62 anos.

Mesmo assim, os brasileiros defendem a aposentadoria em idades muito baixas. Para 80% dos entrevistados, as pessoas deveriam se aposentar com 60 anos ou menos, enquanto que 19% defendem a aposentadoria com 61 anos ou mais.

SAIBA MAIS – A pesquisa, feita pelo Ibope Inteligência, ouviu 2 mil pessoas em 126 municípios entre os dias 12 e 15 de abril. A margem de erro é de 2 pontos percentuais e o grau de confiança é de 95%.

Acesse a página de Estatísticas do Portal da Indústria e veja a íntegra da pesquisa Retratos da Sociedade Brasileira – Reforma da Previdência.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.