SEDH lança cartilha orientativa sobre violência doméstica durante pandemia

0
EMPÓRIO MARCENARIA
J. Regionalidades vc por dentro de tudo Publicidade Detran carnaval Publicidade Agência Solução
SESA Aedes Aegipty Publicidade CORONAVÍRUS - SESA Publicidade CAMPANHA VACINAÇÃO GRIPE Publicidade Publicidade Publicidade MAIO AMARELO 2020 Publicidade EMPATIA NO TRÂNSITO Publicidade EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO JULHO/2020 Publicidade DENGUE NOV/2020 Publicidade BEBIDA E DIREÇÃO DEZ2020 Publicidade

A Secretaria de Direitos Humanos (SEDH) lançou, nessa segunda-feira (15), a cartilha “Orientações para realização do atendimento não-presencial às mulheres em situação de violência durante o período de isolamento social”. O material foi elaborado pela Subsecretaria de Políticas para as Mulheres, em parceria com o Projeto de Extensão Formação em Dança (Fordan), da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes).

– CONFIRA A CARTILHA.

Publicidade Publicidade

O objetivo é propor uma referência para a prestação de serviço contínua e com qualidade às mulheres. A pandemia do novo Coronavírus (Covid-19) impôs medidas, como o distanciamento social, sendo este o principal meio de contenção da propagação do vírus atualmente. Como consequência, muitos serviços de denúncia e orientação tiveram que adotar formas alternativas de execução para sua permanência.

“No período de distanciamento social estamos adaptando diversos serviços, entre eles os de atendimento às mulheres em situação de violência. Neste novo cenário surgiu a necessidade de orientarmos as pessoas que prestam este tipo de atendimento para que possam, da melhor forma, acolher, atender e atuar quando estiverem realizando o trabalho não-presencial”, frisou a secretária de Estado de Direitos Humanos, Nara Borgo.

Com isso, a Subsecretaria de Políticas para as Mulheres julgou necessário preparar o material para divulgação, pensando em uma maior capacitação de gestoras e gestores, operadoras e operadores de políticas públicas em defesa dos direitos das mulheres.

“Na nossa compreensão, esse atendimento por telefone tem que ser qualificado e, para isso, é importante que a gente tenha instrumentos que contribuam com a qualidade do serviço que será prestado. Queremos viabilizar para essas mulheres a sensação de acolhimento, de informação segura, para que elas se sintam protegidas e se desvencilhem da situação que elas estão sofrendo agora”, explicou a subsecretária de Estado de Políticas para as Mulheres, Juliane Barroso.

 

Comentários no Facebook