Após reunião da área temática de Desenvolvimento durante o sexto encontro do Consórcio de Integração Sul e Sudeste (Cosud) realizado no Paraná entre os dias 29 de fevereiro e 01 de março, caberá à Secretaria de Desenvolvimento (Sedes) a análise e formulação de propostas para os temas prioritários comuns aos Estados que compõe o Cosud.

Com o intuito de privilegiar a realidade de cada Estado, será realizada a análise de três Propostas de Emendas à Constituição (PEC): a que trata do Pacto Federativo dos Estados; a dos Fundos Públicos e a PEC Emergencial.

Publicidade Publicidade

Também caberá à Sedes a elaboração de propostas de estímulo à competitividade e produtividade dos setores prioritários elencados, a conhecer: Energia; Metalomecânica; Agronegócio; e Life Science.

Com o intuito de consolidar ações que promovam a liberdade econômica em âmbito nacional em consonância com a eficiência, agilidade e simplificação dos processos, a Sedes também elaborará propostas para a melhoria da legislação federal em assuntos que envolvam órgãos como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Criado em 2019, o Cosud reúne os governadores e secretários de áreas temáticas dos sete estados das regiões Sul e Sudeste. O secretário de Estado de Desenvolvimento, Marcos Kneip, destacou a importância do consórcio para a defesa de políticas públicas integradas para melhorar a qualidade do serviço público prestado à população.

“A aderência entre o grupo tem ampliado continuamente e isso contribui para que haja coesão em temas estratégicos para o desenvolvimento das Regiões Sul e Sudeste. Temos certeza que vamos elaborar importantes propostas que beneficiem a qualidade de vida dos brasileiros, e o crescimento econômico nacional”, disse.

Já a assessora especial da Sedes, Fabrine Schwanz, que também participou do grupo temático, destacou a importância da troca de experiências proporcionadas pelo Cosud. “O Cosud constitui um importante fórum para discussão de pautas comuns ao desenvolvimento dos sete Estados que compõe as regiões Sul e Sudeste, além de nos possibilitar a troca de experiências acerca de políticas públicas que contribuirão para melhorar não só o dia a dia dos capixabas, mas também do País”, afirmou.

Comentários no Facebook