Registro desmente Daniel Silveira sobre ter matado “uns 12” quando era PM; veja

0
DETRAN VERÃO 21 Publicidade EMPÓRIO MARCENARIA
J. Regionalidades vc por dentro de tudo Publicidade Detran carnaval Publicidade Agência Solução
SESA Aedes Aegipty Publicidade CORONAVÍRUS - SESA Publicidade CAMPANHA VACINAÇÃO GRIPE Publicidade Publicidade Publicidade MAIO AMARELO 2020 Publicidade EMPATIA NO TRÂNSITO Publicidade EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO JULHO/2020 Publicidade DENGUE NOV/2020 Publicidade BEBIDA E DIREÇÃO DEZ2020 Publicidade


source
Deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ)
Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

Deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ)

O deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) , preso na semana passada por ataques aos ministros do Supremo Tribunal Federal ( STF ) , concedeu uma entrevista à revista Piauí em 2019, quando tomou posse. Na ocasião, Silveira disse que teria matado algumas pessoas enquanto era da Polícia Militar , no entanto, um levantamento feito pelo G1 e TV Globo mostrou que o deputado nunca matou ninguém.

Publicidade Publicidade

Na entrevista, Silveira se gabava ao compartilhar memórias de quando atuou como soldado da Polícia Militar do Rio de Janeiro, de 2012 a 2018, e chegou a dizer que não sabia ao certo quantas vezes “acionou o gatilho”.

“Não dá para contar quantas vezes acionei o gatilho. Mas não tive desvios de conduta, nunca matei ninguém. Não por erro”, disse rindo à revista. Ao ser questionado quantos matou, ele completou dizendo “devo ter o quê?! Uns 12, por aí. Mas dentro da legalidade. Em confronto policial. É sempre em confronto. Já fui alvejado também, patrulhando”, acrescentou Daniel Silveira .

Registros policiais

No entanto, de acordo com um levantamento do G1 e da TV Globo, com base nos registros de ocorrência policial, o deputado não matou ninguém em confronto armado ao longo da carreira. Os documentos não mostram nenhum registro de auto resistência assinado por ele.

“Para ele ter atirado, tem que ter havido resistência de algum opositor. Se alguém atirou contra o policial, ele teria que ter feito um registro de ocorrência. Se não fez, oficialmente não existiu, ou ele prevaricou”, disse ao jornal um especialista em segurança pública.

Ainda segundo o levantamento, também não há registros oficiais de que o então soldado tenha disparado a arma uma vez sequer.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorEstado quer aval para alienar 14 imóveis
Próximo artigoPF indicia Kassab por corrupção, caixa 2 eleitoral e associação criminosa
Elan Costa
Elan Costa é jornalista sob o registro MTE 0003512/ES, articulista e estudante de direito. Atuou na Gerência de Jornalismo e Relações Públicas da Prefeitura de Guarapari, trabalhou como Jornalista Correspondente do Jornal A Tribuna, no Noroeste do ES, foi coordenador de comunicação na Câmara Municipal de Santa Teresa, assessor de comunicação na Amunes - Associação dos Municípios do ES -, e assessor político em diversos órgãos. É marqueteiro político, tendo atuado na campanha eleitoral para prefeito de Guarapari em 2016, além de coordenador de campanha eleitoral para deputado estadual em 2018. Fundador e proprietário do Jornal Regionalidades.

Comentários no Facebook