Cerca de 30 produtores rurais da microbacia do Córrego Frigério participaram de um Dia de Campo do projeto Água na Medida, da Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh), na manhã da última sexta-feira (27). A microbacia fica na zona rural de Nova Venécia e faz parte da bacia hidrográfica do rio São Mateus, no norte do Espírito Santo.

O encontro aconteceu em uma das 15 propriedades da microbacia que receberam irrigâmetros por meio do projeto. No Dia de Campo, os agricultores puderam conhecer de perto o funcionamento dos aparelhos e como ele deverá ser operado no dia a dia. 

Publicidade Publicidade

Os aparelhos medem a evapotranspiração – perda de água do solo por evaporação e a perda de água da planta por transpiração – e, com base nesses dados, indicam quanto tempo de irrigação é necessário e quando ela precisa ser feita para que a lavoura se desenvolva bem. 

Como o projeto se baseia numa pesquisa e na aplicação de tecnologia à irrigação, a missão do Água na Medida não termina aí. Durante um ano, os produtores vão anotar diariamente os dados da irrigação fornecidos pelo aparelho, como volume de água e tempo de rega. Numa segunda etapa, as informações coletadas serão inseridas em um sistema computacional, que vai definir um padrão de manejo para a irrigação praticada nas lavouras mais cultivadas na microbacia. 

Os irrigâmetros e o sistema serão associados ainda a sensores de umidade do solo e a uma estação meteorológica, que deve ser instalada nos próximos dias no Frigério. 

A coordenadora do Água na Medida, Silvia Batista Soares, explicou que o objetivo da Agerh com este projeto é incentivar o uso racional da água nas propriedades rurais e a autogestão comunitária em bacias com menos disponibilidade hídrica e muita demanda de água. 

“Definindo regras junto com os produtores rurais, eles serão capazes de dividir o recurso hídrico disponível em momentos de crise, de forma justa e consensual, para que todos consigam manter sua produção, mesmo em períodos críticos de estiagem na região”, detalhou a coordenadora. 

Entenda melhor assistindo ao vídeo no canal da Agerh no Youtube

Além dos agricultores do Córrego Frigério e da equipe do projeto Água na Medida, também participaram do Dia de Campo o mestre em manejo de água na agricultura irrigada, Carlos Ramalho, que comercializa os irrigâmetros, representantes do escritório regional do Incaper, Wellington Marré e Felipe Maia, e o presidente do Comitê de Bacia Hidrográfica (CBH) do rio São Mateus, Emerson Rodrigues Machado. 

Agricultura Familiar e Escassez Hídrica

Devido à escassez hídrica, a microbacia do Córrego Frigério, em Nova Venécia, tem um histórico de conflito pelo uso da água e uma alta demanda de recursos hídricos para irrigação, realidade que o projeto Água na Medida quer ajudar a mudar. 

O presidente do CBH São Mateus, Emerson Machado, destacou a importância de ter o projeto de incentivo ao uso racional da água na microbacia. “Esta região foi uma das primeiras a sofrer com a última crise hídrica aqui na bacia do São Mateus. Tinha muito conflito entre vizinhos e um primeiro trabalho da Agerh, aqui no Frigério, anos atrás, já melhorou bastante a gestão compartilhada e a convivência entre os usuários da bacia. Mas a água ainda é um grande desafio para os agricultores, que agora terão mais uma oportunidade de melhorarem sua produtividade e sua relação com a água, com a aplicação desses equipamentos e tecnologias”, disse o presidente do CBH.

Os produtores da região do córrego Frigério estão regularizados sob o ponto de vista do uso da água, após uma análise coletiva dos requerimentos de outorga realizada pela Agerh na microbacia, entre os anos de 2017 e 2018. A Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos regulariza a captação e o uso da água bruta.

O produtor de café e pimenta Alessandro Dadalto é um dos beneficiados pelo projeto Água na Medida e está com um irrigâmetro instalado em sua propriedade.  “O projeto está vindo para ajudar o produtor rural, que ainda mais com essa escassez de água, depende muito de uma orientação para irrigar a lavoura, sem desperdício. Aqui a gente já trocou a irrigação por aspersão pelo gotejo para tentar economizar, mas mesmo assim, tem que molhar dentro de um limite, senão a gente acaba ficando sem água no período mais seco e a lavoura acaba sentindo muito”, contou o agricultor. 

Assista ao depoimento completo no canal da Agerh no Youtube.

O projeto Água na Medida é coordenado pela Agerh e tem o suporte metodológico de uma tecnologia desenvolvida na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), por meio do Centro de Ciências Agrárias e Engenharias (CCAE) – Campus de Alegre, e do Laboratório de Gestão de Recursos Hídricos e Desenvolvimento Regional (Labgest) – Campus de Goiabeiras. A pesquisa é custeada pelo Fundo Estadual de Recursos Hídricos e Florestais do Espírito Santo (Fundágua), com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes).

Comentários no Facebook