Professores, populares e estudantes se reúnem contra fechamento de escola em Castelo

Escola funciona há 60 anos e falta de estrutura física seria uma das razões para o fechamento

0

Um grupo de professores se reuniu nesta terça-feira (10) com o prefeito interino de Castelo, o presidente do legislativo, Celsinho Callegário, e com o deputado estadual Alexandre Quintino, em busca de soluções para inibir o fechamento da Escola Estadual Emílio Nemer.

A informação inicial de que a Escola Estadual Emílio Nemer, conhecida como CETEC, teria seu funcionamento interrompido partiu por meio de boatos na cidade, foi quando um grupo de professores tiveram a confirmação por meio de lideranças políticas.

Publicidade Publicidade

Ao Jornal Regionalidades a professora de geografia, Viviane Colodetti, que atua no colégio aproximadamente há 12 anos, contou que mais de 60 profissionais que atuam na unidade receberam a notícia de terceira mão.

“Em momento algum fomos procurados por superiores, ficamos surpresos ao sermos indagados por pais de alunos, foi a partir daí que procuramos o prefeito interino em busca de soluções”, contou.

Ainda segundo a professora Viviane, há suspeita é que o colégio será fechado por não atender algumas normas técnicas em sua estrutura física.

“Conversamos com a superintendente de educação, em Cachoeiro, ela não confirmou o fechamento, mas também não negou. Disse que, inclusive, já estão realizando levantamentos da escola para a tomada de cisão. Além disso, a informação seria que a unidade não conta com estrutura apropriada para continuar o funcionamento”, lembrou.

O prefeito interino, Domingos Fracarolli informou que garante apoio aos representantes da instituição, pais e alunos, disse ainda que estará agendando uma reunião com o Secretário de Estado da Educação, Vitor de Ângelo, e o Governador, Renato Casagrande, para tratar o assunto.

Em nota, o presidente da casa de leis informou que também se coloca à disposição da escola e que não medirá esforços para a resolução do caso.

“Precisamos preservar a escola, são 60 anos de tradição, aprendizado e muita educação para nossos jovens, buscaremos um diálogo com o secretário estadual de educação, bem como com o governador Renato Casagrande, o mais breve possível”, disse, em nota, o presidente do legislativo, Celsinho Callegário.

Remanejamento

De acordo com a superintendência de educação, caso a escola venha a ser fechada, alunos atualmente matriculados na unidade serão remanejados para o Colégio Estadual João Bley.

Um ex-professor da unidade que preferiu não se identificar disse que o método a ser implantado, caso a escolha pare de funcionar, irá prejudicar literalmente o aluno.

“O que eles querem, querem unificar as classes do CETEC com as classes do João Bley, desta forma teremos salas de aula na outra unidade com mais de 50 e até mesmo 70 alunos. Não há dúvidas de que a qualidade do ensino vai cair”, ponderou.

CETEC – 60 anos de tradição e ensino de qualidade

A Escola Estadual Emílio Nemer, localizada no Centro de Castelo, foi fundada na década de 50 e já operou em todos os turnos [matutino, vespertino e noturno], atualmente conta com mais de 450 alunos e 60 profissionais, entre eles professores, pedagogos, serventes e etc.

Emílio Nemer está classificada como uma das melhores escolas públicas do Sul do Espírito Santo e a décima no Estado quando o assunto é qualidade de ensino.

Mobilização

Um encontro está marcado para acontecer no plenário da Câmara Municipal, em Castelo, nesta quarta-feira (11). O encontro está agendado para iniciar a partir das 19 horas e contará com a participação de populares, alunos, professores, servidores.

“Vamos nos reunir para definir os próximos passos que devemos tomar para impedir esta ação e também para dar uma satisfação aqueles que nos questionam, inclusive aos pais de alunos”, concluiu a professora Viviane Colodetti.

Além disso, um abaixo-assinado foi lançado e será encaminhado ao governado do estado, Renato Casagrande.

Confira o trecho de apresentação do documento:

Os cidadãos abaixo-assinados, brasileiros, residentes em Castelo, e adjacências, solicitam de Vossa Excelência o não fechamento da Escola Estadual Emilio Nemer, a fim de que os moradores dessa comunidade e adjacências não sejam prejudicados com a extinção da escola de ensino médio, além de que a referida escola é um marco de nossa comunidade, existindo a mais de 60 anos, sendo assim reconhecida pela sua qualidade e referencial educacional.

Revolta

Nas redes sociais, populares e ex-estudantes fizeram postagens em solidariedade. Foi o caso do ex-aluno João Guilherme Salve que escreveu: “peço um tempo de vocês para assinarem a petição contra o fechamento da Escola Estadual de Ensino Médio Emílio Nemer. Sou eternamente grato por todo o conhecimento que a Escola me proporcionou, que foi decisiva na minha formação pessoal e profissional. Lá fiz amizades que levo para a vida, convivi com professores excepcionais e com um ambiente acadêmico que evidenciou a força libertadora da educação”.

Em sua publicação, com uma foto e frase de Pitágoras, o internauta Gustavo Tosta Nicole, classificou a ação como absurdo e vergonhosa.

Já a educadora Beatriz Souza limitou em publicar o abaixo assinado em busca de novos apoios.

Até o final desta reportagem mais de 2.000 assinaturas já haviam sido coletadas.

Comentários no Facebook