PRESIDENTE DO TJES ESCLARECE DÚVIDAS SOBRE INTEGRAÇÃO DE COMARCAS, CRISE ECONÔMICA E FUTURO DO PODER JUDICIÁRIO

0
EMPÓRIO MARCENARIA
J. Regionalidades vc por dentro de tudo Publicidade Detran carnaval Publicidade Agência Solução
SESA Aedes Aegipty Publicidade CORONAVÍRUS - SESA Publicidade CAMPANHA VACINAÇÃO GRIPE Publicidade Publicidade Publicidade MAIO AMARELO 2020 Publicidade EMPATIA NO TRÂNSITO Publicidade EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO JULHO/2020 Publicidade DENGUE NOV/2020 Publicidade BEBIDA E DIREÇÃO DEZ2020 Publicidade

Em entrevista, o desembargador Ronaldo Gonçalves de Sousa respondeu perguntas sobre temas atuais e de grande interesse público.

O presidente do Tribunal de Justiça do Espírito Santo, desembargador Ronaldo Gonçalves de Sousa, respondeu, em entrevista, algumas perguntas relevantes sobre a recente integração de comarcas no Estado, os efeitos da crise econômica gerada pela pandemia da COVID-19 e sobre como ele enxerga o futuro do Poder Judiciário, especialmente com a implantação do processo judicial eletrônico em todo o Estado do Espírito Santo.

Publicidade Publicidade

Com relação às críticas recebidas em virtude da integração de comarcas, o presidente destaca que o cidadão e os advogados serão melhor atendidos com a efetivação da integração e a jurisdição será prestada de forma mais rápida e efetiva, já que será possível fazer isso por meios eletrônicos e as comarcas integradas deverão ser as primeiras a receber o processo judicial eletrônico:

​“Quando se luta contra a integração de comarcas sem apresentar a solução financeira para não efetivá-la, luta-se na verdade pelo real retrocesso e pela inviabilidade do efetivo trabalho do Poder Judiciário no Estado, sendo os maiores prejudicados a própria classe da advocacia”, destacou o presidente do Tribunal de Justiça.

​Sobre o futuro do Poder Judiciário, o desembargador Ronaldo Gonçalves de Sousa prevê muitos avanços:

​“Acredito que o Poder Judiciário não será mais o mesmo, pois os prédios físicos dos Fóruns, como conhecemos hoje, deixarão de existir, sendo substituídos por uma estrutura mais enxuta, muito mais tecnológica e eficiente”, destacou o magistrado.

Confira aqui a íntegra da entrevista com o presidente do TJES.

Comentários no Facebook