Presidente do Sinsepuc, Renan Viçosi, fala da sua trajetória e ações frente ao sindicato castelense

0

Eleito presidente do Sinsepuc para o mandato 2019/2021, Renan Viçosi Maia Servidor Público Efetivo na prefeitura Municipal de Castelo a quase sete anos, tem uma trajetória de luta em prol da sociedade, dos servidores públicos de Castelo e de serviços públicos de qualidade.

Confira abaixo a entrevista em que o presidente destaca projetos, perspectivas de ação e análise de conjuntura da atual situação política de Castelo e ainda respondendo alguns questionamentos sobre o cenário em relação ao trabalho público e aos Servidores Municipais de forma geral, tanto efetivos, contratados e comissionados.

  • Quando e como o senhor começou a militância social e sindical?
Publicidade Publicidade

Esse ano completarei 07 anos como servidor público efetivo no município de Castelo, e durante esses anos passei por duas secretarias e alguns serviços. Iniciei meus trabalhos na prefeitura como recepcionista na secretaria de agricultura, logo após trabalhei na sala de degustação de café. Ainda na gestão do Prefeito Jair Ferraço fui nomeado gerente, por fim, já na gestão do Prefeito Luiz Carlos Piassi, fui responsável pelo setor de Judicialização da Secretaria de Assistência Social.

No decorrer desses anos fui observando o descontentamento do servidor público em relação a desvalorização de sua classe, a falta de comprometimento com o pagamento de seus direitos, sempre com a desculpa da falta dinheiro, nossa classe foi sendo deixada de lado para atender favores políticos e interesses pessoais, percebendo isso vi que tinha a obrigação de fazer alguma coisa, tentar mudar esse cenário, poder ajudar minha classe e meus colegas de trabalho, fazer com que eles voltem a ter orgulho de falar que são funcionários públicos do município de Castelo.

Foi quando, já filiado ao SINSEPUC desde 24 de março de 2016, vim disputar as eleições para presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Castelo para o triênio dos anos de 2019 a 2021.

  • Atualmente, como está a atuação do SINSEPUC em Castelo?

Ao receber dos filiados, a responsabilidade de ser representante da nossa classe, sabíamos do nosso compromisso e da necessidade de mudança, para reconquistar a confiança no servidor e se tornar um sindicato ainda mais forte, pois bem, pegamos um sindicato com 219 filiados, dificuldades financeiras e um caixa sempre fechando no vermelho, conhecíamos as dificuldades e mesmo assim fomos a luta. Após 01 ano de gestão passamos o número de 370 filiados, dobramos o período de atendimento jurídico, passando de 02 dias para 04 dias da semana, contratamos um médico para os filiados e seus dependentes, fizemos diversos convênios com o comércio local, estendemos o horário de atendimento até as 18hrs sem fechar para almoço, mudamos de endereço para um local mais amplo, tudo com o intuito de melhor atender nos filiados, que parece estar dando certo.

  • O que motiva o senhor a continuar o trabalho em prol dos Servidores e da Sociedade Castelense? 

Nunca fui de desistir, apesar da grande demanda de trabalho é muito gratificante lutar por uma coisa que você acredita. Tenho uma diretoria que sempre me apoia e um corpo técnico muito competente, e ver a possibilidade de poder fazer algo pela minha classe e por Castelo vai sempre me motivar.

  • Quais são os principais desafios da atual gestão sindical? 

A situação financeira do sindicato nos impossibilitou de realizarmos algumas atividades que tínhamos como objetivo para o ano passado, mais com o crescente número de filiações estamos nos estruturando novamente e, se Deus quiser, nesse ano iremos trazer algumas novidades em relação a benefícios aos nossos filiados.

  • Se o senhor pudesse influenciar em alguma decisão do prefeito, o que tentaria “emplacar” no seu governo, ainda este ano? 

Tenho como um dos objetivos principais nesse mandato classista, a conclusão da elaboração de um novo plano de cargos e salários para o servidor, não medirei esforços para que isso aconteça e que posteriormente o mesmo seja aprovado, é inadmissível ter funcionário com salário base menor que salário mínimo, é um absurdo, um desrespeito com o trabalhador.

  • Como avalia a gestão do atual prefeito? 

Com pouco tempo de mandato, ainda esperamos um olhar mais atencioso do nosso prefeito em relação a nossa classe, estamos com perda salarial muito grande pois o prefeito anterior deixou de pagar a data base, o que é direito do servidor.

  • Quais medidas serão tomadas para que os reajustes sejam efetuados dentro da legalidade? 

Só na gestão passada ficamos 03 anos sem o recebimento do nosso direito da data base, acumulando uma perda salarial superior a 12,4%, se esse ano não for pago novamente a perda passara os 16%, sabemos que tanto o piso quanto a data base são direitos do servidor, vamos lutar para que nossos direitos sejam cumpridos corretamente, podendo ser através de conversa ou judicialmente.

  • Qual o posicionamento do senhor com relação a mudança da data pagamento de décimo terceiro salário dos servidores públicos municipais proposta pelo Executivo Municipal e Aprovada pelo Legislativo? 

Somos contra, não em relação a data mais sim com essa mudança foi feita, o sindicato participou de algumas reuniões com os vereadores sobre o assunto no início, para saber o porquê da mudança e como seria, no final deixamos claro que éramos contra a forma que a mudança seria feita, e tentamos de várias formas que esse projeto não fosse aprovado para o ano de 2020, pois isso vai impactar de forma muito negativa na vida financeira do servidor, uma vez que, que servidor já tinha se preparado para o recebimento do 13º (décimo terceiro salário) no seu aniversário, aí sem avisar eles mudam a data do pagamento, não fomos comunicados sobre as sessões onde foi votado esse projeto, pessoas que iriam receber em Janeiro que já tinha programação para esse dinheiro foram pegas de surpresa , vieram até a minha pessoa diversos filiados testemunhar casos sobre a dificuldade que irão encontrar se não receber esse dinheiro, é revoltante a forma que foi feita essa mudança e novamente o servidor sai prejudicado .

  • O Sindicato tomará alguma medida legal em relação ao assunto? 

Sim, entramos com um Mandado de Segurança, estudamos o regimento interno da Câmara de Vereadores de Castelo e encontramos possíveis irregularidades cometidas na sessão onde foi votado o projeto, estamos aguardando o retorno da justiça.

  • Como o senhor se posiciona diante da postura do Prefeito Municipal de exonerar servidores comissionados que “possivelmente” eram ligados aos vereadores que se absteram de votar? Seria a política do toma lá, da cá?

Tanto o recebimento de cargos, quanto a retirada desses por interesse político, faz parte de uma política antiga, que tem que ser mudada. Os cargos públicos tem que ser ocupados por competência e não siglas de partido.

Comentários no Facebook