A emoção tomou conta do auditório do Museu Capixaba do Negro (Mucane), no Centro de Vitória, na manhã desta terça-feira (10), Dia Internacional dos Direitos Humanos. No local, o Prêmio Estadual de Direitos Humanos foi entregue aos três homenageados deste ano. A premiação é promovida pela Secretaria de Direitos Humanos (SEDH) e pelo Conselho Estadual de Direitos Humanos (CEDH) e reconhece o trabalho e o esforço de pessoas e organizações não governamentais que se dedicam à proteção e à defesa desses direitos.

Entre todos os indicados, os escolhidos para receber a homenagem foram Sandra Maria Reis e Maria Beatriz Nader, na categoria “personalidade”, e o Grupo Coral Serenata, na categoria “entidade não governamental ou movimento social”.

Publicidade Publicidade

A vice-governadora Jaqueline Moraes participou da abertura do evento. “Estou feliz em fazer parte dessa premiação. Parabenizo a nossa secretária de Estado de Direitos Humanos, Nara Borgo, que trabalha com uma equipe muito empenhada para defender aquilo que nosso governo acredita: direitos humanos, respeito, a igualdade e a igualdade de gênero”.

Na oportunidade, a secretária de Direitos Humanos, Nara Borgo, destacou a importância da representatividade da mulher na luta em defesa dos direitos humanos. “Hoje é dia de festa. Primeiro porque eu venho ao Prêmio todo ano para prestigiar os colegas e hoje estou como Governo, dando a vocês este reconhecimento de como são importantes para todos e todas nós. Direitos humanos são lutas diárias, mas hoje nós celebramos a data, mesmo que as conquistas pareçam tão pequenas. Hoje também é dia de gratidão pelo trabalho de vocês. Temos aqui uma professora, o que é muito representativo, temos a Sandra, do bairro Piedade, que é um berço de cultura e resistência, e temos o Coral Serenata, regido por uma mulher. Então premiamos três referências femininas, que é motivo de orgulho e que demarca a importância das mulheres nesta luta”, pontuou.

Já a presidenta do CEDH, Verônica Bezerra, falou sobre a escolha do Mucane como o local da premiação. “Celebrar esta data é importante porque ainda vivemos uma época de muitas violações de direitos humanos e, 71 anos depois, ainda precisamos reafirmar esta importância. A escolha pelo Museu Capixaba do Negro foi para exaltar a luta do povo negro, da luta contra o extermínio da juventude negra. Outrora ele foi lugar de violação dos direitos humanos, e hoje ele é pura resistência”, ressaltou.

O evento fez parte da programação da XI Semana Estadual de Direitos Humanos, que tem como tema “(R)Existência! Direitos Humanos na Pluralidade contra Desigualdades”.

Conheça os homenageados de 2019

Sandra Maria Reis

Com 49 anos, mulher, negra, mãe de três filhos e avó de sete netos, merece especial destaque por suas ações, condutas e atividades de promoção e defesa dos direitos humanos no Morro da Piedade, em Vitória. Ela busca dar visibilidade às demandas das famílias que moram na região, pautando-se pelo pleno e efetivo exercício da cidadania, respeito à diversidade sociocultural e superação da pobreza e da desigualdade social. Sandra é tia de Ruan e Damião Reis, brutalmente assassinados na madrugada de 25 de março de 2018.

Maria Beatriz Nader

Professora que se destaca na promoção dos direitos a uma educação plural, multicultural e democrática no estado do Espírito Santo. Ela é professora titular do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História Social das Relações Políticas da Universidade Federal do Espírito Santo e Coordenadora do Laboratório de Estudos de Gênero, Poder e Violência (LEG-Ufes). Ao longo de sua trajetória humana e profissional, tem atuado na defesa dos direitos humanos das mulheres, das relações igualitárias entre gêneros, na promoção de relações étnico-raciais equânimes, em defesa da diversidade e de uma educação democrática plena. Sua vida profissional é pautada na ética e em valores como justiça social e cidadania.

Projeto Serenata – Grupo Coral Serenata

Em 2010, ao observar o gosto de estudantes por músicas com linguagem inapropriada para a idade, com apologia à violência e às drogas, a professora Luciene Pratti, da Escola Municipal Ensino Fundamental (EMEF) Mauro Braga, de Vitória, criou o Grupo Musical Serenata, a fim de ampliar o repertório e possibilitar acesso a outros gêneros musicais. O grupo atua na comunidade do Morro do Quadro e adjacências, mobilizando cerca de 80 crianças, adolescentes e jovens de escolas públicas da região por meio da música. Sua existência visa a compartilhar conhecimentos e contribuir para o desenvolvimento de pessoas, estimular o pensamento crítico, a criatividade e o aprendizado numa perspectiva sóciotransformadora. Hoje o Coral Serenata apresenta resultados na vida dos seus alunos participantes, como a melhora no desempenho escolar, contribui para uma participação ativa no sujeito e sociedade, acesso à cultura, inclusive a novos ritmos e estilos musicais, a elevação da autoestima dos adolescentes e de jovens participantes, e no envolvimento sócio familiar nas atividades do grupo. Realiza apresentações no Estado e fora dele, como no Rio de Janeiro e Minas Gerais, levando a história, a cultura e os sonhos de cada integrante do grupo.

Comentários no Facebook