Polícia Civil celebra Dia Estadual do Escrivão de Polícia nesta terça-feira (05)

0
Foto: Divulgação
EMPÓRIO MARCENARIA
J. Regionalidades vc por dentro de tudo Publicidade Detran carnaval Publicidade Agência Solução
SESA Aedes Aegipty Publicidade CORONAVÍRUS - SESA Publicidade

Nesta terça-feira (05), a Polícia Civil do Espírito Santo (PCES) celebra o Dia Estadual do Escrivão de Polícia, o profissional que é diretamente responsável por documentar o desenvolvimento dos procedimentos judiciais na PCES. O Dia Estadual do Escrivão de Polícia foi instituído pela Lei nº 6.849/2001, entrando em vigor no dia 07 de novembro do mesmo ano.

As principais funções da profissão referem-se ao cumprimento de procedimentos administrativos policiais determinados pelo delegado de polícia como: ordens de serviço; autos de apreensão, de reconhecimento de pessoas ou objetos, dentre outros; registro de depoimentos das partes envolvidas em um crime, sejam vítimas, suspeitos ou testemunhas; flagrantes ou prisões cautelares; identificação para recolhimento ou soltura de presos; e fiscalização da continuidade sequencial dos inquéritos policiais. Além disso, o profissional cuida também do atendimento ao público, da lavratura de boletins de ocorrência e do cumprimento de determinações judiciais.

Publicidade Publicidade

Para a escrivã da PCES Samara Herédia, ser escrivã de polícia significa servir à sociedade e contribuir, por meio da prestação de serviço eficiente, para a elucidação de crimes e a realização da justiça. “Ser policial civil sempre foi meu sonho. Dentro da instituição vislumbrei um cargo que me propicia contribuir à elucidação do crime e no auxílio da efetividade da Justiça Criminal brasileira, pois o resultado final de qualquer processo judicial é também consequência do bom trabalho na esfera da Polícia Judiciária. Poder ajudar a sociedade de forma justa é o mais importante”, destacou.

Formada em Direito pela Universidade de Vila Velha (UVV), em 2012, e pós-graduada em Ciências Criminais pela Universidade Estácio de Sá, Samara Herédia ingressou na PCES em 2012 como auxiliar de perícia Médico-Legal. E, em 2014, foi aprovada no concurso de Escrivã de Polícia, tendo trabalhado na Delegacia Especializada de Polícia Interestadual (Polinter) e cumprido plantões nas Delegacias Regionais da Grande Vitória. Atualmente, está lotada na Corregedoria de Polícia Civil.

Sobre as características de um bom profissional, Samara Herédia relata que “sem dúvida, a organização e paciência são as virtudes principais de um Escrivão de Polícia. Uma vez que somos responsáveis por diferentes procedimentos judiciais, devemos tratar da melhor maneira os investigados e as vítimas, mantendo sempre uma conduta imparcial e respeitando os direitos de cada cidadão. Esse também é um dos nossos principais desafios”.

Gilberto Filho é escrivão de polícia há 24 anos. Atualmente está lotado na Delegacia Especializada de Narcóticos (Denarc) de Cachoeiro de Itapemirim, e já trabalhou nas delegacias dos municípios de Castelo, Presidente Kennedy, Vargem Alta e Mimoso do Sul. Formado em Direito, desde 1993, pela Faculdade de Direito de Cachoeiro de Itapemirim, antes de ingressar na Polícia Civil, Gilberto Filho trabalhou como fiscal em uma autarquia do município de Cachoeiro de Itapemirim.

Para o escrivão de polícia, as principais qualidades de um bom escrivão é ter educação e gentileza no trato com as pessoas e com os colegas de trabalho. “Em nossa rotina, lidamos com situações delicadas que podem influenciar o nosso trato com as pessoas. Ter paixão pelo que faz, honestidade, ética e tentar manter-se emocionalmente equilibrado são os elementos principais para o nosso serviço”, completou.

Os maiores desafios da profissão, segundo Gilberto Filho, estão relacionados, justamente, ao trato social dentro do ambiente de trabalho. “Diante de cada caso, o melhor é praticarmos a empatia, nos colocando no lugar das pessoas que nos procuram com os seus problemas para encontrar a melhor maneira de ajudá-las”, explica.

Tanto Samara como Gilberto entendem que os futuros escrivães de polícia devem estar predispostos a trabalhar arduamente e ter instinto para conseguir superar contratempos.“Ser escrivão é saber contornar obstáculos, levantar das quedas e continuar lutando”, disse Gilberto, e “Que os novos escrivães venham para a Polícia Civil com vontade de dar o seu melhor e que tenham disposição para trabalhar e continuar aprendendo a cada dia”, complementou Samara.

Comentários no Facebook