Secretária de educação de Castelo, nomeada em dezembro/2019 se mostra otimista mesmo em meio a tantas crises
EMPÓRIO MARCENARIA
J. Regionalidades vc por dentro de tudo Publicidade Detran carnaval Publicidade Agência Solução
SESA Aedes Aegipty Publicidade CORONAVÍRUS - SESA Publicidade CAMPANHA VACINAÇÃO GRIPE Publicidade Publicidade Publicidade

A secretária de educação de Castelo, Joelma Cellin, conversou com a redação do Jornal Regionalidades e falou sobre os seus objetivos em uma das pastas mais polêmicas do município.

Apesar do pouco tempo que tem para gerir a pasta – cerca de um ano e um mês, desde que assumiu em dezembro de 2019 – Joelma que também é servidora efetiva da prefeitura de Cachoeiro e da Secretaria Estadual de Educação (Sedu) – cedida ao município, se mostra otimista mesmo após enfrentar uma grande enchente e agora a pandemia mundial do novo Coronavirus .

Publicidade Publicidade

Déficit de aproximadamente R$ 2 milhões, falta de formação profissional, equiparação salarial da classe dos professores (data-base e aumento concedido pelo governo federal e estadual), necessidade de reestruturação nas escolas, a exemplo alvarás de corpo de bombeiros, mais de R$ 2.500.000,00 em prejuízo pós enchente, além de se esbarrar com o calendário eleitoral – que impede qualquer gestor público de realizar contratações, compras, licitações a partir de 5 de julho – foi o que a secretária encontrou à sua espera.

Determinada, Joelma Cellin pretende até o final do ano letivo de 2020 concluir seus objetivos como: formação para professores, cuidadores e gestores, valorização do profissional da educação e também a regularização do serviço de transporte terceirizado, que segundo ela precisa de melhorias.

Para a formação dos professores, cuidadores e gestores a secretária diz que ainda está em fase de implantação e um edital deverá ser lançado em breve pela secretaria.

“Já estamos com duas pessoas que estão montando todo um trabalho para que isso seja realizado. Em breve vamos lançar um edital para orientadores dessas formações diárias. O interessado em participar vai ganhar uma bolsa risória e ele vai trabalhar na formação diária de matemática, artes, inglês, entre outras com os professores da rede que não possuem essa formação. Também vamos incluir a formação de gestores”, contou.

A formação para professores, cuidadores e gestores estava prevista para abril, mas o projeto precisou ser paralisado devido a pandemia do novo coronavírus, Covid-19.

Joelma destacou também a reorganização do serviço de transporte terceirizado que, de acordo com sua análise, precisa de melhorias. “Infelizmente temos ônibus de terceirizadas rodando as estradas fora de estado de conservação. Vamos avaliar caso a caso e ver quais medidas poderão ser tomadas”, disse.

Questionada sobre a valorização dos professores que também está incluída entre os seus objetivos, a secretária informou que se mantém empenhada para que de fato a valorização seja concluída. A secretária disse que a primeira coisa que pensou em fazer quando chegou na secretaria foi em dar abono aos servidores, mas ao verificar a possibilidade foi constatado que havia um déficit de mais de dois milhões na folha, valor este que já ultrapassa o valor que poderia ser aplicado.

“Eu tomei um banho de água fria. Quando cheguei a folha da secretaria tinha um déficit de mais de 2 milhões, logo eu não teria como dar o abono, muito menos a valorização profissional. Estamos fazendo um estudo para que a valorização chegue até o profissional, mas de forma que não venha criar déficit maior na folha ocasionando maiores problemas”, lamentou.

“Estou estudando como da os 12% de aumento. Ninguém bateu o martelo ainda dizendo que não existir. Nós temos que arrumar uma saída”, concluiu.

Regularização das unidades escolares

Segundo a secretária de educação, Joelma Cellin, nenhuma escola do município possui alvará do corpo de bombeiros. A secretária disse ainda que para regularizar as unidades de ensino do município cerca de R$ 90.000,00 serão investidos em equipamentos como extintores, adaptações e etc.

Uma equipe precisou ser preparada para avaliar as escolas. Joelma frisou que o ideal seria contratar uma empresa terceirizada para fazer as avaliações, assinar laudos bem como cuidar de toda a parte burocrática, mas a inclusão de dois engenheiros na secretaria de obras lhe possibilitou economizar cerca de R$ 250 mil.

“Se fossemos contratar empresa de engenharia para executor o serviço estaríamos desembolsando cerca de R$ 250 mil, mas alocamos dois engenheiros na secretaria de obras que estão fazendo as avaliações nas escolas para a regularização dos alvarás”, disse.

Escolas atingidas pelas enchentes

De acordo com a secretária, todas as 22 escolas de Castelo, foram atingidas pelas enchentes de janeiro. Ao todo 6 unidades ficaram debaixo d’água, as demais sofreram avarias nos telhados, muros, dentre outros.

Se somados, os prejuízos ultrapassam a casa de R$2,5 milhões. “Para sanar este prejuízo a Sedu nos encaminhou 17 computadores e o Senai nos fez uma doação de móveis. Fora isso nós vamos participar de dois editais da Sedu sendo um para compra de mobiliário e outro para reforma das unidades atingidas pela enchente”, disse.

CONCURSO DE 2007: aprovados poderão ser nomeados ainda esse ano

Sobre o concurso público ocorrido em 2007, há pelo menos 13 anos, a secretária informou que após reunião realizada na última terça-feira (21) a secretária informou que o jurídico do município está estudando o caso e que independente de já haver ação judicial sobre o tema as nomeações deverão ocorrer ainda este ano dentro das legalidades.

Participaram da reunião o prefeito Domingos Fracaroli, a secretária de educação, Joelma Cellin, o procurador geral, Dayvson Faccini Azevedo, o procurador do município, Luiz Antônio, e o presidente do Sinsepuc – Sindicato dos Servidores Públicos de Castelo, Renan Viçosa Maia, que confirmou a informação.

CORONAVÍRUS

A secretária informou que continua mantida a decisão de suspender as aulas da rede pública municipal de Castelo devido a pandemia do novo coronavírus.

Ao todo, a suspensão das aulas será de pelo menos 15 dias a partir da próxima segunda (23) até o dia 04 de abril. A medida foi anunciada no último dia 16.

O objetivo está em diminuir a aglomeração de pessoas e com isso impedir que o vírus se propague. “Se tudo ocorrer bem, como acreditamos que com fé em Deus vai melhorar, nossas aulas ficarão suspensas até o dia 4 de abril. Retomaremos após a situação ser controlada”, salientou a secretária.

Município prevê construção de nova creche

De acordo com Joelma, a secretaria de educação que funciona atualmente em imóvel que pertence ao Governo do Estado ganhará novo espaço e o local será readequado para comportar alunos matriculados na EMEB Sebastião de Moraes.

“Essa mudança também vai nos permitir desafogar a lista de espera que em dezembro de 2019, quando cheguei, estava em mais de 100 crianças”, concluiu.

Escolas municipais e estaduais ficarão sem aulas por 15 dias. (Foto: Divulgação)

“Quero contribuir e deixar um legado para Castelo”, diz Joelma, secretária de educação

Joelma frisou que o seu maior objetivo é de contribuir para o município. “Além de atingir todas as nossas metas eu quero deixar um legado, uma marca, para em Castelo”, concluiu.

Joelma Cellin é graduada em Artes Plásticas pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), especialista em Gestão Pública Municipal pelo Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), mestre em língua e cultura italiana pela Universidade de Turim na Itália, professora concursada pela Secretaria Estadual de Educação (Sedu) e pela Prefeitura de Cachoeiro de Itapemirim. Também é professora universitária e escritora tendo até o momento dois livros publicados.

 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorCachoeiro tem primeiro caso confirmado de coronavírus, diz governador Casagrande
Próximo artigoPost teste
Elan Costa é jornalista sob o registro MTE 0003512/ES, articulista e estudante de direito. Atuou na Gerência de Jornalismo e Relações Públicas da Prefeitura de Guarapari, trabalhou como Jornalista Correspondente do Jornal A Tribuna, no Noroeste do ES, foi coordenador de comunicação na Câmara Municipal de Santa Teresa, assessor de comunicação na Amunes - Associação dos Municípios do ES -, e assessor político em diversos órgãos. É marqueteiro político, tendo atuado na campanha eleitoral para prefeito de Guarapari em 2016, além de coordenador de campanha eleitoral para deputado estadual em 2018. Fundador e proprietário do Jornal Regionalidades.

Comentários no Facebook