Nova denúncia envolve o vice-prefeito de castelo Éverton Zanuncio

0
EMPÓRIO MARCENARIA
J. Regionalidades vc por dentro de tudo Publicidade Detran carnaval Publicidade Agência Solução
SESA Aedes Aegipty Publicidade CORONAVÍRUS - SESA Publicidade

A atual namorada do vice-prefeito, Éverton Zanuncio, mantém cargo comissionado de Gerente de Relações Institucionais, lotado na Procuradoria Geral do Município de Castelo, conforme mostra o Portal da Transparência.

>> NEPOTISMO CRUZADO: Domingos Fracaroli nomeia mãe, irmã e esposa de vereadores na prefeitura de Castelo

Publicidade Publicidade

A candidata para a vaga de segunda-dama do município, foi nomeada no último dia 12 de dezembro. Ao todo, Bianca recebe a quantia de R$ 1.729,00, além do benefício de vale alimentação.

Apesar da relação afetiva entre ambos, a nomeação de Bianca Nunes Mariani não configura a prática de nepotismo, mas sim o emparelhamento da máquina pública, o que por sua vez se torna imoral para gestores públicos.

>> “Cada administração deve responder pelos seus atos”, diz Jair Ferraço sobre Nota de Esclarecimento da prefeitura de Castelo

Bianca, namorada do vice-prefeito, Éverton Zanuncio, está lotada na Procuradoria do Município exercendo função de Gerente de Relações Institucionais

A redação do Jornal Regionalidades fez contato com o vice-prefeito de Castelo para que pudesse se pronunciar. Por telefone, Éverton informou que Bianca é competente para o cargo que ocupa.

>> Surgem novos nomes de parentes de vereadores comissionados na prefeitura de Castelo

Questionado se Éverton e Bianca seriam casados para apurar se há a prática de nepotismo na nomeação, o vice-prefeito se limitou a informar apenas que estão namorando”.

>> Toma-lá-dá-cá: entenda o esquema que mantém Zélia Marques, esposa do prefeito de Castelo, nomeada na Câmara Municipal

O ilegal x o imoral

Apesar da Constituição se referir apenas a parentes de até terceiro grau para que a prática de nepotismo seja configurada nos âmbitos da esfera municipal, estadual e federal conforme diz a lei “é vedado ao servidor público servir sob a direção imediata de cônjuge ou parente até terceiro grau civil, não admitindo ainda nomeações que configurem reciprocidades por nomeações”, a prática de nepotismo ou favorecimento caracterizada pela nomeação de servidores públicos comissionados ou designação para função de confiança, com relação de parentesco pode caracterizar abuso de poder, capaz de causar enriquecimento ilícito, danos ao erário e até mesmo atentado contra os princípios da administração, em tese, configurando, ato ilícito de improbidade administrativa.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorPrazo de filiação para se candidatar em 2020 é mantido no dia 4 de abril
Próximo artigoCachoeiro tem primeiro caso confirmado de coronavírus, diz governador Casagrande
Elan Costa é jornalista sob o registro MTE 0003512/ES, articulista e estudante de direito. Atuou na Gerência de Jornalismo e Relações Públicas da Prefeitura de Guarapari, trabalhou como Jornalista Correspondente do Jornal A Tribuna, no Noroeste do ES, foi coordenador de comunicação na Câmara Municipal de Santa Teresa, assessor de comunicação na Amunes - Associação dos Municípios do ES -, e assessor político em diversos órgãos. É marqueteiro político, tendo atuado na campanha eleitoral para prefeito de Guarapari em 2016, além de coordenador de campanha eleitoral para deputado estadual em 2018. Fundador e proprietário do Jornal Regionalidades.

Comentários no Facebook