‘Noli me Tangere’ apresenta experimento performativo na internet em tempos de pandemia

0
EMPÓRIO MARCENARIA
J. Regionalidades vc por dentro de tudo Publicidade Detran carnaval Publicidade Agência Solução
SESA Aedes Aegipty Publicidade CORONAVÍRUS - SESA Publicidade CAMPANHA VACINAÇÃO GRIPE Publicidade Publicidade Publicidade MAIO AMARELO 2020 Publicidade EMPATIA NO TRÂNSITO Publicidade

Nos últimos meses, em função da pandemia do novo Coronavírus (Covid-19), o setor cultural passou por um processo de reinvenção para seguir em frente. Com o teatro e a performance não foi diferente. Apresentações de espetáculos ao vivo (sem a presença do público) ou a exibição de trabalhos gravados anteriormente, ambos exibidos pela internet, foram algumas das soluções para se conectar com as pessoas.

Outro caminho encontrado foi o de criar projetos voltados exclusivamente para as telas digitais. Essa é a proposta de “Noli me Tangere” (“Não me Toques”), idealizada pela Confraria de Teatro, que reúne as atrizes Thiara Pagani, Micheli Santini, Gleide Firmino e Julia Pedreira, em performances individuais a serem exibidas em dois finais de semana, nos meses de agosto e setembro, gratuitamente, sempre às 19 horas, e em formato on-line.

Publicidade Publicidade

As quatro performances transformaram alguns questionamentos — “como performar tendo como dispositivo apenas a sua própria tela?” — em potência criativa, além de usar a distância como limite, mas nunca como limitação: Thiara é de Vitória, no Espírito Santo; Micheli e Gleide, de Samambaia, no Distrito Federal; e Julia Pedreira, de São Paulo, todas elas se propuseram a pensar outras maneiras de encenação.

O elo entre as atrizes, que não se conhecem pessoalmente, é João Turchi, escritor e dramaturgo goiano radicado em São Paulo e que trabalhou com as quatro performers em diferentes momentos. Ele possui uma pesquisa sobre comunicação mediada por dispositivos eletrônicos junto ao grupo Cinza, o que contribuiu para pensar o processo cênico.

“Para mim, utilizar dispositivos virtuais, não como forma de torcer, mas de afirmar sua distância, é algo novo. Em geral, ao trabalhar com virtualidade, minha pesquisa sempre envolveu, exatamente, a possibilidade de rompê-la trazendo as funções de aplicativos on-line para a presença física. Nesse contexto, me parece interessante encarar as limitações da bidimensionalidade e das funções trazidas pelos próprios aplicativos como elementos constitutivos de programas de performance”, diz o dramaturgo João Turchi.

Pandemia

Inicialmente, pensada para acontecer em formato presencial, o trabalho teve que ser adaptado para o espaço on-line em função da pandemia. Juntos, escritor e atrizes/performers repensaram as diferentes pesquisas sobre a rua, o espaço público e foram encontrando novos caminhos para trazer para a tela aquilo que não cabe dentro das suas casas. O espaço virtual funciona, assim como a cidade, e é nele que as performers, acostumadas a atuarem com o lado de fora, precisam desenvolver suas derivas.

As atrizes também fizeram pesquisas pessoais e individuais buscando fotos esquecidas, rascunhos de texto que não foram usados, mas também nunca apagados, gráficos, curvas de contágio e caminhos no Google Maps e, desta forma, criar os elementos cênicos para cumprir o programa performativo que lhes foi entregue dentro do limite de tempo que a plataforma de comunicação utilizada possibilitará.

A partir daí, um mesmo texto e um mesmo limite temporal para cada apresentação funciona como uma espécie de código binário, o sistema que estrutura a linguagem eletrônica em que sequências infinitas de apenas dois números, 0 e 1, são capazes de desenhar tudo o que vemos na tela, e ganham particularidades e ineditismos, dependendo do que cada atriz/performer escolhe mostrar em sua performance.

Para assistir ao experimento virtual, basta enviar um e-mail para confrariadeteatro@gmail.com. As apresentações acontecem sempre às 19 horas e são gratuitas.

 

Confira o calendário das performances:

27/08 e 11/09 – Julia Pedreira
28/08 e 12/09 – Gleide Firmino
29/08 e 13/09 – Micheli Santini
30/08 e 14/09 – Thiara Pagani


“Não me Toques”

 

“Noli me Tangere” significa “Não me Toques” e é a frase que Jesus falou para Maria Madalena quando ele ressuscitou dos mortos e, pra acreditar que ele ainda existia, ela tentou tocá-lo. Ele, no entanto, já era, nesse momento, virtual e, por isso, acreditar na sua presença envolvia vê-lo, mas sem a possibilidade de senti-lo. Só sabemos que Jesus estava ali pelas suas palavras, é nele e não em Maria Madalena que devemos acreditar para comprovar sua presença.

 

Edital

 

O trabalho foi realizado com recursos do Funcultura, contemplado no edital 20/2018 Setorial de Artes Visuais da Secretaria de Estado da Cultura do Espírito Santo. O texto e programas performativos serão publicados pela Editora Maré e também disponibilizados em plataforma digital.

 

Ficha Técnica

Concepção e Dramaturgia: João Turchi
Atrizes/ Performers: Gleide Firmino, Julia Pedreira, Micheli Santini e Thiara Pagani
Provocação: Olivia Ardui
Debate de Arte-Educação: Amanda Amaral e Winny Rocha
Projeto Gráfico: Gustavo Binda

Serviço:
“Noli Me Tangere”
Onde: 
On-line  Datas das exibições:
27/08 e 11/09 – Julia Pedreira
28/08 e 12/09 – Gleide Firmino
29/08 e 13/09 – Micheli Santini
30/08 e 14/09 – Thiara Pagani

Horário: 19 horas
Gratuito

Para assistir envie e-mail para: confrariadeteatro@gmail.com

Instagram: @confrariadeteatro

Comentários no Facebook