Mais de 300 quilos de carne bovina clandestina apreendidos em Dores do Rio Preto

0
EMPÓRIO MARCENARIA
J. Regionalidades vc por dentro de tudo Publicidade Detran carnaval Publicidade Agência Solução
SESA Aedes Aegipty Publicidade CORONAVÍRUS - SESA Publicidade CAMPANHA VACINAÇÃO GRIPE Publicidade Publicidade Publicidade MAIO AMARELO 2020 Publicidade EMPATIA NO TRÂNSITO Publicidade

Após denúncia anônima, equipes do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf) e da Polícia Militar Ambiental (PMA) localizaram, nessa quinta-feira (20), um ponto de abate clandestino de carne bovina, no distrito de Mundo Novo, em Dores do Rio Preto.

De acordo com o um dos médicos-veterinários do Idaf que acompanharam a ação, Gustavo Wassita, cerca de 300 quilos de carne bovina clandestina foram apreendidos. “Todo produto de origem animal deve ser processado em estabelecimento registrado junto ao Serviço de Inspeção Oficial, que adota as medidas higiênico-sanitárias preconizadas, de modo a garantir a oferta de um alimento seguro à população. As carnes estavam em ambientes totalmente inadequados para manipulação, inclusive apresentavam areia e mato na parte externa, indicando que o transporte também tenha sido realizado de modo impróprio”, disse.

Publicidade Publicidade

Após indicação do responsável quanto ao local de abate dos animais, foi constatado que o procedimento era realizado em uma propriedade rural, desrespeitando as medidas sanitárias e também ambientais, já que as vísceras foram encontradas às margens de um córrego.

Os produtos eram manipulados em um galpão e a suspeita é de que eram comercializados em um estabelecimento anexo.

“É importante que a população esteja atenta para consumir somente produtos inspecionados.  Os alimentos provenientes de abate clandestino podem acarretar graves problemas à saúde humana”, alertou Wassita.

Todo o material apreendido foi encaminhado para destruição e o responsável será autuado pelo Idaf. Como a ação ocorreu à noite, o Idaf realizará novamente vistoria na propriedade para avaliar as infrações ambientais.

Comentários no Facebook