Intervenção em preços nos combustíveis pode ter apoio do Congresso; entenda

0
DETRAN VERÃO 21 Publicidade EMPÓRIO MARCENARIA
J. Regionalidades vc por dentro de tudo Publicidade Detran carnaval Publicidade Agência Solução
SESA Aedes Aegipty Publicidade CORONAVÍRUS - SESA Publicidade CAMPANHA VACINAÇÃO GRIPE Publicidade Publicidade Publicidade MAIO AMARELO 2020 Publicidade EMPATIA NO TRÂNSITO Publicidade EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO JULHO/2020 Publicidade DENGUE NOV/2020 Publicidade BEBIDA E DIREÇÃO DEZ2020 Publicidade


source
Polêmica entre Bolsonaro e estatal começou após aumentos nos preços dos combustíveis
Agência Brasil

Polêmica entre Bolsonaro e estatal começou após aumentos nos preços dos combustíveis

A mudança na presidência da Petrobras anunciada na última sexta-feira (19) , está sendo vista por economistas e pelo mercado financeiro como tentativa de interferência na política de preços dos combustíveis, provocando uma reação negativa no índice Ibovespa, que apresentou queda de 4,79% . No entanto, a mensagem passada pelo presidente Jair Bolsonaro nas últimas semanas é um sinal positivo para congressistas.

Publicidade Publicidade

Além de zerar a alíquota de PIS/Cofins para o diesel, Bolsonaro afirmou na semana passada que “haveria mudanças na Petrobras”. Mesmo após a troca no comando da estatal, o chefe do Planalto disse que ainda terá ajustes na empresa.

De acordo com o especialista em políticas econômicas e professor de relações internacionais do Ibmec-SP, Alexandre Pires, há membros no Congresso Nacional que apoiam o “populismo econômico”, o que deve favorecer a mudança na política de preços.

“Essa interferência do Governo na Petrobras faz com que investidores corram para outros ativos. Temos que ficar de olho, isso é preocupante. No entanto, o populismo econômico é uma pauta que sempre teve defensores no Congresso. E esses partidos que se alinharam com Bolsonaro não devem ser avessos a isso”, diz Pires.

“O Governo não entrar em rota de colisão com o Congresso, quando sinaliza o tempero de suas pretensões econômicas, com o populismo econômico. Gastar mais do orçamento para ter uma redução no custo de vida”, ressalta.

O líder do Partido dos Trabalhadores, oposição ao governo, na Câmara dos Deputados, Ênio Verri (PT-PR), concorda com a intervenção na política de preços da Petrobras. Para o parlamentar, a dolarização dos preços dos combustíveis prejudica o consumidor.

Você viu?

“Sou a favor da intervenção. O preço do combustível deveria ser fixo, sem influência do dólar. Acredito que há possibilidade de fazer isso. O combustível tem que ser acessível para o povo e não favorecer o mercado financeiro”, afirma o congressista.

No entanto, Verri rebate a afirmação de que a mudança na presidência na Petrobras seja uma interferência direta. O líder do PT ressalta a falta de direção do Governo Federal em relação à política de preços na estatal.

“Ele não fez nada, só trocou o presidente. Se ele intervisse nos preços do combustível, aí sim, é outra situação”, disse Verri.

“O governo não tem uma direção. Nos governos Lula e Dilma ainda tínhamos uma direção nos valores dos combustíveis, no governo FHC também. Nesse governo não tem nem direção, nem ministro da economia”, completou.

Erros repetidos

O professor de relações internacionais do Ibmec-SP, Alexandre Pires, acredita que a interferência de Bolsonaro nas políticas de preços da Petrobras e nas contas de energia elétrica podem ser positivas para a população, mas deve se ter cuidado para não repetir erros do passado.

“Essa interferência pode trazer benefícios a curto prazo para a população, mas, dependendo da forma que for feita, pode trazer prejuízos econômicos, como aconteceu com a Dilma em 2016”, lembra Pires.

“Se não forem tomadas medidas cautelosas, o Governo poderá perder o controle, abrindo precedente para mais uma forte crise econômica e acabar sofrendo um pedido de impeachment”, conclui. 

COMPARTILHAR
Artigo anteriorIntervenção em preços nos combustíveis deve ter apoio do Congresso; entenda
Próximo artigoMPF abre inquérito contra Pazuello por improbidade administrativa; entenda
Elan Costa
Elan Costa é jornalista sob o registro MTE 0003512/ES, articulista e estudante de direito. Atuou na Gerência de Jornalismo e Relações Públicas da Prefeitura de Guarapari, trabalhou como Jornalista Correspondente do Jornal A Tribuna, no Noroeste do ES, foi coordenador de comunicação na Câmara Municipal de Santa Teresa, assessor de comunicação na Amunes - Associação dos Municípios do ES -, e assessor político em diversos órgãos. É marqueteiro político, tendo atuado na campanha eleitoral para prefeito de Guarapari em 2016, além de coordenador de campanha eleitoral para deputado estadual em 2018. Fundador e proprietário do Jornal Regionalidades.

Comentários no Facebook