Em versão e-book e com texto revisado, obra conta a história de quatro adolescentes que denunciam os problemas da escola onde estudam, mas enfrentam muita oposição.

O escritor Maxwell dos Santos relança um e-book lançado em 2014 como Amyltão Escancarado, mas em 2019, ganha um novo título: Os senhores da fome, que tem como temas a corrupção, uso das novas mídias pelos adolescentes, racismo e censura contra a imprensa.

Publicidade Publicidade

A estória é baseada na trajetória de Isadora Faber, que montou a página Diário de Classe para denunciar os problemas estruturais da escola onde estudava, em Florianópolis.

O novo título é inspirado no nome do documentário produzido pelo jornalista Roberto Cabrini e exibido pelo Conexão Repórter, do SBT, que denunciou a corrupção na compra da merenda escolar na cidade de São Cristóvão, em Sergipe e culminou na renúncia da então prefeita, Rivanda Batalha.

Sinopse

Na cidade fictícia de Pietro Tabachi, situada no norte do Espírito Santo e colonizada por italianos, há uma escola chamada Amylton Dias de Almeida que tem graves problemas estruturais e pedagógicos. Arianne e Henrique são dois adolescentes negros numa cidade predominantemente branca, aliados a Hellen e Hudson, que estudam na 8ª série, decidem montar um blog chamado Amyltão Escancarado e denunciar o que estava errado. Contudo, as denúncias vão de encontro com os interesses do grupo político que domina a cidade e eles foram vítimas de represálias.

Uma destas retaliações parte de Miguel Menezes, professor de Língua Portuguesa, assessor de imprensa da Prefeitura de Pietro Tabachi e editor do jornal pró-Jalmir, A Voz de Pietro Tabachi, que prepara uma aula disparando indiretas contra Hellen e Henrique, atacando-os em sua fé, por se engajarem no blog que denuncia o abandono daquela escola e ele é esposo de Soraya, ora diretora do estabelecimento. Eis a fala do professor:

– É revoltante ver pessoas, ditas cristãs, principalmente evangélicas, das quais se espera que sejam referências no meio que vivem, com um bom testemunho de vida, semearem o pânico e a contenda. São agitadores sociais, fomentadores do vandalismo e do desrespeito às instituições. Vivem de aparências, portam uma Bíblia debaixo do braço, vão pra igreja no domingo à noite, cantam, dançam, pregam, oram, falam em mistérios, profetizam e choram diante de Deus, mas na segunda-feira, tornam a difamar e expor ao ridículo pessoas e a escola que os formará para a vida, num blog de quinta categoria, totalmente parcial, subserviente a políticos inescrupulosos da oposição. Têm cara de anjo barroco, mas são o Satanás encarnado. Segundo a Bíblia, nem todo aquele que diz Senhor, Senhor entrará no reino dos céus. Quanto menor a cobra, maior é o veneno e me vejo diante de duas víboras perigosíssimas, prontas a dar o bote contra qualquer um que lhes atravesse o caminho. (p. 109-110)

Paralelamente, há um esquema de superfaturamento e desvio de verbas na compra de hortifrutigranjeiros comandado pela secretária de Educação da cidade, Karine Barreira e de favorecimento do frigorífico do compadre do prefeito Jalmir Barreira, um típico coronel.

Tudo isso é denunciado por Aristomar Pedreira, editor do Correio Tabachiano, veículo de oposição à atual administração, além da blogueira Paula Ximenes, editora do blog homônimo, mas que sofrem retaliações do mandatário da cidade.

Os senhores da fome está disponível para download gratuito em http://bit.ly/ossenhoresdafomepdf

Sobre o autor

Maxwell dos Santos nasceu em Vitória/ES em 1986 e mora na referida cidade. É jornalista, designer gráfico e servidor público da Prefeitura de Cariacica desde 2017. É técnico em Multimídia pelo CEET Vasco Coutinho, licenciando em Letras/Português pelo IFES e em História pela Uninter. É autor dos e-books As 24 horas de Anna Beatriz, Ilha Noiada, Amyltão Escancarado, Comensais do Caos, #cybervendetta, Empoderando-se e Ao me ver no espelho, lançados de forma independente e de Melanie, pela Giostri Editora, de São Paulo.

Comentários no Facebook