source
Leilão do 5G está previsto para acontecer no primeiro semestre deste ano
Divulgação

Leilão do 5G está previsto para acontecer no primeiro semestre deste ano

O ministro das comunicações, Fábio Faria , defendeu o governo nesta sexta-feira (26) e afirmou não haver intervenção do presidente Jair Bolsonaro na escolha da empresa responsável pela implantação da rede 5G no Brasil. De acordo com o ministro, o país não está negociando com empresas ou Nações específicas.

Publicidade Publicidade

“Quem participa do leilão são as teles. As empresas de telecomunicação é que compram os equipamentos. Então a gente não negocia, o governo federal não trata com nenhuma empresa, com nenhum país sobre a participação do leilão”, disse.

“A gente nem tinha como chegar lá de viagem e oferecer para alguma empresa algum espaço no leilão”, completou Faria, ao se referir sobre a viagem de uma comitiva a países europeus e asiáticos .

O edital de licitação da tecnologia 5G foi aprovado na quinta-feira (25) pela Anatel . A previsão é que o leilão gere R$ 35 bilhões aos cofres públicos.

Fábio Faria ainda afirmou que o decreto editado pelo presidente Jair Bolsonaro, que prevê uma rede privativa ao Governo Federal , é uma tentativa para aumentar a segurança e evitar espionagens de outros países.

“Alguns países estão utilizando a mesma coisa. Nós temos que preservar as nossas informações sensíveis e tirar qualquer que seja, algo que esteja na imaginação das pessoas. Achar que podem estar espionando o governo brasileiro, qualquer país que seja, não só um”, afirmou o ministro.

Faria assumiu a possibilidade de assinatura de um decreto para liberar empresas privadas a implementar e operar a rede 5G, função que atualmente é da Telebras. 

Comentários no Facebook