EMPÓRIO MARCENARIA
J. Regionalidades vc por dentro de tudo Publicidade Detran carnaval Publicidade Agência Solução
SESA Aedes Aegipty Publicidade CORONAVÍRUS - SESA Publicidade CAMPANHA VACINAÇÃO GRIPE Publicidade Publicidade Publicidade MAIO AMARELO 2020 Publicidade

A Câmara Municipal de Castelo aprovou na manhã desta terça-feira (16), durante sessão extraordinária, o PL 31/2020 que prevê a redução de 50% do valor do vale alimentação dos servidores públicos municipais.

Na prática o benefício cai de R$ 600 para R$ 300 nos meses de junho a novembro deste ano somente para servidores públicos contratados e comissionados, já para os efetivos o valor permanece em R$600,00.

Publicidade Publicidade

Na oportunidade os vereadores disseram durante a sessão na qual ocorreu a aprovação da pauta que se sentiram pressionados pelo chefe do executivo que informou que caso o projeto não fosse aprovado diversas demissões teriam que ocorrer na prefeitura.

O projeto passou na Casa de Leis por sete votos a três. Foram contrários à proposta os parlamentares Antônio Celso Calegário Filho (PV), Douglas Falçoni (DEM) e Tiago de Souza (PTB).

Procurado, o prefeito Domingos Fracaroli (PSDB) informou que a atual crise em que o país está vivenciando, devido a pandemia do novo coronavírus, foi quem o obrigou a descer com o projeto para a Casa de Leis propondo desta forma economia aos cofres públicos.

Angustiado o vereador Dimas Luzório (PSB) lamentou a atual situação e suplicou, no uso da tribuna, que o prefeito não realize demissões, tendo em vista que o momento não é proprício para tal ato.

Quem também comentou a aprovação foi o vereador Patrick Alledi que, apesar de ter votado pela aprovação, disse confiante que não acredita que o corte do vale seria efetivamente para impedir demissões na prefeitura.

Quem também demonstrou tristeza foi o vereador Marcos Zoim. Já a vereadora Lúcia Venturim (DEM), suplente de Fracaroli, enquanto vereador, cobrou mais ação do executivo. “A minha posição tem sido muito clara. Não se trata de uma questão de não querer contribuir para o município, gastos realmente terão que ser cortados, só não concordei que fosse esse o ponto principal do corte na economia já que o vale não incide sobre a folha. Para não sofrer sanções administrativas o prefeito terá que, de um jeito ou de outro, fazer cortes na folha”, disse a vereadora Lúcia.

Veja o vídeo onde a vereadora se coloca, dias antes da provação, contra o projeto e explica sobre a folha de pagamento da prefeitura.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorSala do Empreendedor mantém atendimentos por telefone e e-mail
Próximo artigoMais 389 famílias de Cachoeiro recebem Cartão Reconstrução nesta semana
Avatar
Elan Costa é jornalista sob o registro MTE 0003512/ES, articulista e estudante de direito. Atuou na Gerência de Jornalismo e Relações Públicas da Prefeitura de Guarapari, trabalhou como Jornalista Correspondente do Jornal A Tribuna, no Noroeste do ES, foi coordenador de comunicação na Câmara Municipal de Santa Teresa, assessor de comunicação na Amunes - Associação dos Municípios do ES -, e assessor político em diversos órgãos. É marqueteiro político, tendo atuado na campanha eleitoral para prefeito de Guarapari em 2016, além de coordenador de campanha eleitoral para deputado estadual em 2018. Fundador e proprietário do Jornal Regionalidades.

Comentários no Facebook