Ex-primeira dama de Colatina é condenada há 12 anos de prisão por desvio de verba pública

0
Ex-primeira dama e secretária de assistência social de Colatina, e outras duas pessoas tiveram mandado de 12 anos de prisão expedidos nesta sexta-feira (13)
EMPÓRIO MARCENARIA
J. Regionalidades vc por dentro de tudo Publicidade Detran carnaval Publicidade Agência Solução
SESA Aedes Aegipty Publicidade CORONAVÍRUS - SESA Publicidade CAMPANHA VACINAÇÃO GRIPE Publicidade Publicidade Publicidade MAIO AMARELO 2020 Publicidade EMPATIA NO TRÂNSITO Publicidade

O Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) expediu nesta sexta-feira (13), um mandado de prisão, de 12 anos, em desfavor da ex-primeira dama de Colatina, município do Noroeste do Estado, Maria Júlia Rosa Chavez Deptulski, Lenize Lilia Tozz Fachetti e Clerismar Lyriom, por desvio de verba pública, totalizando cerca de R$ 6,7 milhões de reais.

Publicidade Publicidade

O Ministério Público de Contas já havia apresentado denúncia contra a ex-primeira-dama de Colatina e ex-secretária de Assistência Social, Maria Júlia Rosa Chaves Deptulski, por fraudar contratos entre a prefeitura e a Associação Damas de Caridade de Colatina.

Segundo a denúncia, houve desvios de verbas públicas em 22 convênios firmados entre a secretaria e a associação. Na época, o MP de Contas pediu o ressarcimento de quase R$ 6,7 milhões aos cofres públicos.

Em 2013 o MP de Contas também requereu que todos os convênios fossem submetidos à auditoria do Tribunal de Contas (TCES). Além de Maria Júlia, outras sete pessoas também foram denunciadas por envolvimento no esquema. O desvio, segundo a denúncia, era feito por meio de convênios com recibos de pagamentos autônomos ou notas fiscais falsas emitidas em nome de pessoas cujos dados já estavam na associação, por já terem prestado serviços antes à entidade.

Na época o procurador-geral de Contas, Luis Henrique Anastácio da Silva, fez a representação baseado nos depoimentos colhidos pelo Ministério Público Estadual (MPES), que ofereceu denúncia de improbidade administrativa neste caso.

Silva chegou a pedir o recebimento da denúncia e a análise dos 22 convênios na auditoria. Na representação o procurador disse que, diante da gravidade da infração cometida, deve ser aplicada aos responsáveis a pena de inabilitação para o exercício de cargo em comissão ou função de confiança.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorProfessor assume diretório do PMB em Castelo
Próximo artigoSergio Meneguelli poderá ter seus direitos políticos cassados por irregularidades em licitação
Avatar
Elan Costa é jornalista sob o registro MTE 0003512/ES, articulista e estudante de direito. Atuou na Gerência de Jornalismo e Relações Públicas da Prefeitura de Guarapari, trabalhou como Jornalista Correspondente do Jornal A Tribuna, no Noroeste do ES, foi coordenador de comunicação na Câmara Municipal de Santa Teresa, assessor de comunicação na Amunes - Associação dos Municípios do ES -, e assessor político em diversos órgãos. É marqueteiro político, tendo atuado na campanha eleitoral para prefeito de Guarapari em 2016, além de coordenador de campanha eleitoral para deputado estadual em 2018. Fundador e proprietário do Jornal Regionalidades.

Comentários no Facebook