Especialista da Sesa realiza panorama das arboviroses no Estado

0
EMPÓRIO MARCENARIA
J. Regionalidades vc por dentro de tudo Publicidade Detran carnaval Publicidade Agência Solução
SESA Aedes Aegipty Publicidade CORONAVÍRUS - SESA Publicidade CAMPANHA VACINAÇÃO GRIPE Publicidade Publicidade Publicidade MAIO AMARELO 2020 Publicidade EMPATIA NO TRÂNSITO Publicidade

As diferenças da situação epidemiológica no Espírito Santo referentes às arboviroses, doenças que são transmitidas pelo Aedes aegypti, como a dengue, a chikungunya e a zika ao longo de 2020, é tema do vídeo produzido pela Secretaria da Saúde (Sesa), nesta quinta-feira (13), e disponibilizado no canal da Sesa no YouTube.

O chefe do Núcleo Especial de Vigilância Ambiental, Roberto Laperriere Júnior, aborda a temática para cada região de saúde e também faz o panorama geral, falando sobre o histórico das doenças, em um comparativo com o ano anterior.

Publicidade Publicidade

Em relação à dengue, Laperriere lembra do alto número de notificação ocorrido em 2019 e como está a situação do Estado hoje. “Em 2020 temos uma redução de 40% da casuística dos casos de dengue. Muita dessa população que adoeceu em 2019 ficou menos suscetível, adquiriu imunidade. Isso explica a redução de casos atualmente. E entre as regiões do Estado mais acometidas pela dengue, temos a região Central de Saúde com maior incidência, seguida da Metropolitana, norte e sul”, informou.

Ao final do vídeo, Laperriere alerta a população sobre os cuidados essenciais para a prevenção das doenças causadas pelo Aedes aegypti, como um checklist de limpeza. “Continuamos com dados de que mais de 80% dos depósitos estão dentro ou próximo das residências. Não podemos descuidar, a população deve escolher um dia da semana para fazer checklist dentro das suas residências”.

O vídeo sobre o panorama atual das arboviroses no Espírito Santo está disponível no canal da Sesa no YouTube, para acessar clique no link https://bit.ly/30RBuru.

Veja aqui o 32º boletim da dengue.

Veja aqui o 32º boletim de zika.

Veja aqui o 32º boletim chikungunya.

Comentários no Facebook