Falta de efetivo e de estrutura na polícia foram apontados por Bahiense e Assumção como problemas na área Deputados usaram a sessão ordinária desta quarta-feira (29) para fazer cobranças à Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp). Capitão Assumção (Patri) comentou um caso de agressão policial ocorrido em Guarapari, no final de semana, e atribuiu o fato ao despreparo e à falta de infraestrutura da Polícia Militar (PM). Dois policiais foram conter uma mulher em surto e um vídeo mostra que ela acabou sendo agredida com tapas durante a abordagem dos PMs. Um inquérito foi aberto para apurar os fatos, que ganharam repercussão na imprensa. 

O parlamentar ponderou que as reações do policial militar aconteceram “no auge da adrenalina”, como um ato de reflexo após ele ter sido mordido pela mulher enquanto tentava imobilizá-la com a ajuda do parceiro. Assumção afirmou que a corporação não é preparada para atender esse tipo de ocorrência, porque faltam equipamentos adequados, como arma de choque, bala de borracha e gás de pimenta.  Ainda de acordo com o capitão, o vídeo de 17 segundos não pode ser usado para explicar o encadeamento de todos os fatos. 

Publicidade Publicidade

Efetivo policial

A Sesp também foi citada pelo deputado Delegado Danilo Bahiense (sem partido), que pediu reforço no efetivo policial, sobretudo da Polícia Civil (PC). Conforme explicou, o número de policiais hoje está muito aquém do mínimo necessário, que é de 3.830 homens.  

Segundo explicou, muitas vítimas de crimes procuram delegacias para registrar ocorrências, mas acabam encontrando as unidades fechadas, o que dificulta o trabalho da polícia. Bahiense apresentou uma série de números relativos a crimes no Espírito Santo entre janeiro e agosto de 2021. 

Nesse período, segundo dados da Sesp, foram registados 12.140 roubos de aparelhos celulares, sendo a Serra, com 3.127 casos, o município “campeão” desse tipo de delito, seguida de Vila Velha (2.961), Cariacica (2.293) e Vitória (1.624). Houve ainda 738 crimes contra a vida e 71 homicídios de crianças e adolescentes, além de 20.194 ocorrências de estelionato. 

Gestão pública

Com a aproximação das eleições de 2022, o deputado Sergio Majeski (PSB) cobrou projetos futuros dos gestores públicos e criticou o cenário de radicalização dos debates entre esquerda e direita. Na opinião dele, essas discussões são superficiais e só servem para inflamar os ânimos dos brasileiros. 

Com o Brasil novamente “à beira de um apagão”, o socialista questionou propostas voltadas para a segurança energética em um país que detém recursos como petróleo e gás natural e é capaz de produzir energia renovável, como hidrelétrica, eólica e solar. Para ele, isso traduz a falta de governança do atual e dos últimos governos. 

O parlamentar usou o exemplo da Alemanha, onde a incidência de raios solares é bem menor que a observada no Brasil. Lá, 12% do consumo de energia é vinculado a essa matriz energética. Janete de Sá (PMN) frisou que na Europa usa-se mais a energia solar porque não há tantos recursos hídricos como no Brasil, onde há condições para a instalação de hidrelétricas. 

A parlamentar aproveitou para destacar que o volume dos rios está menor, conforme informações veiculadas pela Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh). A escassez hídrica, lembrou a deputada, pode acometer o consumo humano e a produção de alimentos, impactando nos preços. Ela fez um alerta sobre o uso racional da água. 

Fazenda Maruípe

O Engenheiro José Esmeraldo (sem partido) afirmou que a Prefeitura de Vitória vai promover, até o final do ano, a regularização fundiária da região que é conhecida como Fazenda Maruípe, contemplando 2 mil moradias localizadas nos bairros Joana D’Arc, Santa Martha, Mauípe, São Cristóvão e Tabuazeiro. 

O deputado lembrou que o projeto de lei da regularização fundiária foi aprovado na Assembleia Legislativa (Ales). A medida, aguardada há décadas, permitirá que os moradores obtenham as escrituras dos imóveis registradas em cartório.

Comentários no Facebook