Em Cachoeiro, há cerca de 67 mil eleitoras, o que equivale a 53,85 % do eleitorado da cidade
Foto: Reprodução/Web

Há 89 anos, as mulheres brasileiras conquistavam o direito de participar da vida política do país. Proibidas de votar até então, o avanço, assegurado pelo Código Eleitoral em 1932, a princípio, foi direcionado apenas para as casadas – autorizadas pelos maridos – e para viúvas com renda própria.

Publicidade Publicidade

Dois anos depois, em 1934, o direito ao voto foi assegurado a todas as mulheres, previsto na Constituição Federal. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), hoje, as mulheres representam quase 53% do eleitorado brasileiro.

Em Cachoeiro de Itapemirim, de acordo com o TSE, há cerca de 67 mil eleitoras, o que equivale a 53,85 % do eleitorado da cidade.

Moradora do bairro Amarelo, dona Eunice Bossois, de 76 anos, é uma eleitora assídua. Mesmo estando, por lei, desobrigada de votar, ela afirma que exercerá o direito enquanto puder.

“Eu acredito no poder da cidadania. Demoramos para ter essa conquista e gosto de exercer meu direito. É a forma que nós, como população, temos de mudar a cidade, o país. Para as mulheres, então, que sempre tiveram de lutar muito para terem direitos assegurados, é uma forma de continuar lutando”, explica.

De acordo com a legislação brasileira, o voto não é obrigatório para analfabetos, para maiores de 70 anos e também é facultativo para quem tem 16 e 17 anos.

Ainda assim, a jovem cachoeirense Milena Gomes de Andrade, de 17 anos, residente do bairro Alto Zumbi, fez questão de iniciar a sua vida de eleitora, debutando no pleito do ano passado. “Votar é um poder de escolha e eu encaro como um dever de um cidadão que quer, de alguma forma, mudar, para melhor, o local em que vive. Eu me sentia ansiosa para começar a votar, porque entendo que é algo importante, que pode transformar a vida da sociedade”, completa.

O Dia da Conquista do Voto Feminino também é lembrado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social de Cachoeiro, que, em sua Subsecretaria de Direitos Humanos, tem um setor responsável pelas políticas públicas voltadas à igualdade de gênero.

“Essa data tem grande importância na história da luta das mulheres brasileiras por igualdade, e o que ela representa estará contemplado, de certa forma, nas nossas ações em comemoração ao Dia da Mulher, o 8 de março. Teremos uma bela campanha, em que reafirmaremos os direitos e o potencial das mulheres”, salienta a secretária municipal de Desenvolvimento Social, Márcia Bezerra.

Comentários no Facebook