O Prefeito Interino de Castelo, Domingos Fracaroli, acompanhado de seu vice, Éverton Zanúncio, vereadores e secretários municipais, participou, na manhã desta terça-feira, 12 de novembro, do Fórum Desenvolvimento e Inovação: O Futuro do Espírito Santo.

 

Publicidade Publicidade

No evento, que contou com a presença do Governador do Estado, Renato Casagrande, foi assinado o Protocolo de intenções para a construção do Porto Central em Presidente Kennedy, um acordo entre os gestores do empreendimento e a empresa holandesa Van Oord, que visa o cumprimento das condicionantes ambientais impostas pelo Ibama, para que a construção do porto possa começar no segundo semestre de 2020. O investimento é de cerca de R$ 40 milhões.

 

Para Casagrande, o porto será o empreendimento âncora para o desenvolvimento de todo sul capixaba. Em missões no exterior, como recentemente em Portugal, o governador tem apresentado o empreendimento na busca de possíveis investidores estrangeiros, mesma postura adotada pelo diretor executivo do Porto Central, José Maria Novas, que recentemente esteve na China, junto com a comitiva do presidente Jair Bolsonaro.

“O porto central é uma ótima notícia. Será um empreendimento gerador de empregos e novos investimentos para que a economia de nosso estado avance e traga mais qualidade de vida para os capixabas”, comentou Domingos Fracaroli, Prefeito Interino de Castelo.

Porto Central

 

O Porto Central será instalado em uma área de aproximadamente 2.000 hectares, o equivalente a 3.000 campos de futebol. E acomodará vários terminais de grande escala ao longo de seus 10 km de berços e píeres.

 

Com até 25 metros de profundidade, o Porto Central estará apto a receber os maiores navios do mundo, tais como VLCC’s e Valemax, com até 400.000 toneladas de capacidade

 

O empreendimento ocupará área de 20 milhões de metros quadrados e demandará investimentos da ordem de R$ 5 bilhões. O terminal irá operar diversos tipos de cargas como: granéis líquidos (petróleo e derivados e produtos químicos), granéis sólidos (minério de ferro, carvão, ferro gusa), além de soja, milho, trigo e outros produtos agrícolas, fertilizantes e veículos.

 

Comentários no Facebook