Casos de Caxumba chamam atenção em Teresina entre idades diferentes

0

bb34f869-6453-4595-8928-78daafc2c738[1]A Prefeitura de Teresina está atenta aos casos de Parotidite infecciosa (mais conhecida como caxumba ou papeira). A Fundação Municipal de Saúde (FMS) elaborou uma nota informativa para ser distribuída entre as Unidades de Saúde da capital, orientando médicos e outros profissionais sobre o manejo da doença.

A caxumba é uma doença viral de evolução benigna, caracterizada por febre e aumento de volume de uma ou mais glândulas salivares, geralmente a parótida e, às vezes, sublinguais ou submandibulares. “Não existe tratamento para a caxumba, indicando-se apenas repouso, analgesia e observação cuidadosa quanto à possibilidade de aparecimento de complicações”, afirma Amariles Borba, diretora de Vigilância em Saúde da FMS.

Publicidade Publicidade

No Brasil, a caxumba não é uma doença de notificação compulsória. No entanto, a FMS orienta que as Unidades de Saúde realizem a notificação, para que seja feita a identificação e investigação de possíveis surtos no município. “Entende-se como surto de caxumba a ocorrência de pelo menos dois casos em ambientes fechados como creches, escolas, ambientes de trabalho, entre outros”, explica Amariles Borba.

Em caso de identificação de caso nesse tipo de ambiente, é realizado o bloqueio preventivo da doença, por meio da vacinação imediata dos frequentadores destes mesmos locais e demais contatos do paciente, evitando assim o aumento de sua incidência.

A vacinação é o instrumento disponível para controle da doença. O esquema vacinal recomendado pelo Programa Nacional de Imunizações inclui a administração da vacina tríplice viral (que também protege contra sarampo e rubéola) aos 12 meses de idade e um reforço aos 15 meses com a vacina tetraviral (que, além das três doenças, protege contra catapora). Conforme o calendário, todas as crianças e adolescentes até 19 anos de idade devem ter duas doses de vacinas que protejam contra sarampo, caxumba e rubéola, enquanto indivíduos de 20 a 49 anos que não apresentarem comprovação vacinal devem receber uma dose de tríplice viral.

A transmissão da caxumba ocorre por via aérea, disseminação de gotículas, ou por contato direto com saliva de pessoas infectadas. O período de incubação varia de 12 a 25 dias. Seu período de transmissibilidade varia entre 6 e 7 dias antes das manifestações clínicas até 9 dias após o surgimento dos sintomas.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.