Luís Roberto Barroso, Ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), decidiu, monocráticamente, na última quinta-feira (1º), manter a cassação do vereador Cristiano Dias Vitelli (PL).

O vereador de Castelo é acusado por compra de votos nas eleições de 2016.

Publicidade Publicidade

Anteriormente o juiz Joaquim Ricardo Camatta Moreira, da 3ª Zona Eleitoral de Castelo, já havia decidido pela cassação do diploma do vereador, logo em seguida, em março do ano passado, uma segunda decisão, desta vez da maioria dos desembargadores do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), seguiu a decisão do juiz de Castelo, mesmo assim Cristiano Vitelli interpelou com recurso no TSE, o que lhe fez se manter no cargo.

Procurado pela redação do Jornal Regionalidades, Cristiano informou que o caso já está sendo avaliado por seus advogados e que irá entrar com recurso no Pleno para que o colegiado do Trivinal Superior Eleitoralo vereador informou que vai entrar com agravo possa avaliar o processo.

“Ainda não fomos intimados da decisão, mesmo assim já estamos nos preparando para recorrer da decisão”, concluiu.

SUPLENTE
Se afastado do cargo, quem assume é o suplente Ramon Lambranho (PMN). quem assume no seu lugar é o primeiro suplente Ramon Lambranho (PMN).

O peemenista obteve, nas eleições de 2016, 407 votos.

A DENÚNCIA

Ao todo, o Ministério Público Eleitoral (MPE) recebeu duas denúncias sobre compra de votos contra Edil durante a eleição de 2016.

Em um dos casos o Cristiano teria realizado o pagamento e aquisição de peças para concerto do veículo de um eleitor na troca de votos de sua família.

De acordo com oa autos do processo, em depoimento, o dono da oficina confirmou o caso.

Além disso, Vitelli também é indiciado por ter pago uma quantia de R$ 70,00 a uma eleitora.

Ainda de acordo com a denúncia, o valor que supostamente teria sido pago à eleitora seria referente a aquisição de um medicamento.

FONTEElan Costa
COMPARTILHAR
Artigo anteriorGuaçuí será a capital nacional do teatro a partir de domingo (04)
Próximo artigoMesmo com autorregulação, uso do cheque especial continua alto
Elan Costa é jornalista sob o registro MTE 3512/ES, articulista, marqueteiro e consultor político, estudante de direito e vice-presidente da Adjori/ES - Associação dos Jornais do Interior do Espírito Santo - eleito para o biênio 2021-2023. Atuou na Gerência de Jornalismo e Relações Públicas da Prefeitura de Guarapari, trabalhou como Jornalista Correspondente do Jornal A Tribuna, no Noroeste do ES, foi coordenador de comunicação na Câmara Municipal de Santa Teresa, assessor de comunicação na Amunes - Associação dos Municípios do ES -, e assessor político em diversos órgãos. É marqueteiro político, tendo atuado na campanha eleitoral para prefeito, em 2016, para deputado estadual em 2018, e novamente para prefeito e vereadores, em 2020. É fundador e proprietário do Jornal Regionalidades.

Comentários no Facebook