A antiga sede do Clube Saldanha da Gama, no Centro de Vitória, será a Casa do Turismo Capixaba. O anúncio foi feito pelo governador Renato Casagrande nesta quarta-feira (08), dia em que a Capital do Espírito Santo completa 470 anos. O espaço, que atualmente está passando por obras de reforma, será a sede da Secretaria de Turismo (Setur). Além disso, haverá um espaço gastronômico e um local para apresentações culturais. 

“O turismo vai se encaixar muito bem nesse prédio histórico. Vamos recuperar o Forte São João. Assim, os moradores e turistas poderão desfrutar desta bela paisagem. Quem vier tomar um café, um chope ou fazer uma refeição vai energizar o Centro de Vitória, trazendo mais movimento e desenvolvimento para essa região. Monumentos como esse jamais poderiam ter sido abandonados. Esse é mais um trabalho nosso em prol do resgate do Centro de Vitória e de boa parte da história do Espírito Santo”, afirmou o governador.

Publicidade Publicidade

Casagrande citou ainda outras importantes obras que estão sendo feitas pelo Governo do Estado na capital. “Em breve teremos o barco do Aquaviário passando aqui na frente, na Baía de Vitória, transportando as pessoas pela Região Metropolitana. São 470 anos de Vitória e o dia é todo voltado para ela. Já fomos ao Portal do Príncipe, já estivemos na missa na Catedral, vamos na Rodovia das Paneleiras e visitar as obras da Ciclovia da Vida na Terceira Ponte. Também iremos entregar a nova sede do Procon Estadual, no Centro de Vitória”, declarou o governador, que estava acompanhado da primeira-dama Maria Virginia Casagrande.

A ocupação de mais este espaço, que é parte da história e da paisagem capixaba, integra as ações de revitalização do Centro Administrativo da Capital, projeto prioritário do Governo do Estado. As obras estão sendo realizadas pelo Departamento de Edificações e de Rodovias do Espírito Santo (DER/ES). A previsão é de que o espaço seja aberto com a transferência da sede da Setur e a abertura dos espaços comerciais no primeiro semestre de 2022.

A secretária de Estado de Turismo, Lenise Loureiro, afirmou que o local voltará a ter o merecido destaque no cotidiano da cidade, fortalecendo a história capixaba e permitindo o fluxo de moradores e turistas, contribuindo para o dinamismo econômico do Centro Histórico da Capital. “A Casa do Turismo Capixaba será um espaço de convivência da cidade com espaços comerciais e de exposição, além de palco de manifestações culturais”, completou.

Também estiveram presentes a vice-governadora Jacqueline Moraes; os secretários de Estado, Vitor de Angelo (Educação), Tyago Hoffmann (Inovação e Desenvolvimento), Nara Borgo (Direitos Humanos) e Marcelo Calmon (Gestão e Recursos Humanos); os deputados estaduais José Esmeraldo, Marcelo Santos e Emilio Mameri; o comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Alexandre Cerqueira; além de dirigentes de órgãos e autarquias, secretários municipais, vereadores e lideranças locais.

Uso do espaço

Além de ser a sede da Secretaria de Turismo (Setur), o espaço abrigará um restaurante e uma cervejaria. No próximo mês, o Governo do Estado publicará os editais para locação dos espaços comerciais. Uma das principais exigências será um cardápio com pratos capixabas, bem como a comercialização de cervejas artesanais produzidas em solo capixaba.  

A proposta do projeto envolve um espaço cultural de resgate da memória do Forte e espaço para eventos. No Memorial do Forte, será feita a recuperação visual e restauro da muralha, dos canhões e da estátua do índio Araribóia, que receberá uma iluminação cênica para tornar o local ainda mais bonito. Está prevista ainda a instalação de totens com a história do espaço.

O acesso ao local também será reformulado com a instalação de uma faixa de desaceleração possibilitando mais segurança para uso do estacionamento. O imóvel já está recebendo obras de manutenção nas áreas internas e externas. Além disso, estão sendo contratados projetos e a execução de novas estruturas de climatização, rede lógica, sistema de combate a incêndio, elevador e equipamentos de circulação vertical. 

História

O espaço conhecido hoje como “Saldanha” foi construído no período colonial para abrigar o Forte São João com a finalidade de proteger a cidade dos invasores e se tornou o símbolo de resistência do povo capixaba.  Tudo começou em 1592, quando o pirata inglês Thomas Cavendish se aproximou com sua esquadra da ilha de Vitória, depois de um saque bem-sucedido a Santos, Estado de São Paulo.

Para se defenderem dos invasores, os habitantes da Vila de Vitória utilizaram madeira, pedras e areia para improvisar dois fortes na baía: um na base do Morro do Penedo e outro no Morro do Vigia. Depois da expulsão dos piratas, o forte do Penedo foi gradativamente desativado. Já a construção erguida do outro lado da baía foi mantida e deu origem ao Forte São João.

Em 1931 o Clube Saldanha da Gama comprou a antiga sede do Forte. Além de ser referência em várias modalidades esportivas, o clube passou a investir em festas e concursos tornando-se o principal clube social da cidade o que permitiu a realização de obras de reparos e reformas na edificação. Em 1984 o imóvel foi tombado pela Prefeitura de Vitória. Já a muralha do clube é tombada pelo Estado.

Comentários no Facebook