source
Durante 2020, a MM Eventos realizou transmissões semi-presenciais, com a equipe de produção, e totalmente virtuais
Divulgação / MM Eventos

Durante 2020, a MM Eventos realizou transmissões semi-presenciais, com a equipe de produção, e totalmente virtuais


Publicidade Publicidade

A pandemia acertou em cheio a economia brasileira. E muitos setores precisaram se reinventar. É o caso das empresas especializadas em eventos. Segundo a Associação Brasileira dos Promotores de Eventos (Abrape), até fevereiro deste ano, mais de 350 mil eventos deixaram de ser realizados em 2020 (entre shows, festas, congressos, rodeios, eventos esportivos e sociais, teatro, entre outros). A situação praticamente não mudou este ano.

Segundo a associação, um terço das empresas fechou as portas em definitivo. Das que permanecem abertas, 97 de cada 100 não está prestando serviço. O ramo deixou de faturar, ao menos, R$ 90 bilhões. E um terço das empresas em atividade vai ter muita dificuldade para reabrir, diz o levantamento

Uma outra pesquisa, feita pelo Sebrae em agosto de 2020, mostrou que, até o terceiro trimestre, empresários tentaram negociar prazos para amenizar os impactos da pandemia: 34% devolveram o dinheiro para o contratante, mas 35% deles contam que conseguiram negociar crédito para utilizar futuramente. Outros apostaram em inovação. 

Como o grupo MM Eventos. Com sede em São Paulo e atuação no país inteiro, desenvolveu uma maneira de inovar as tradicionais lives que, na visão de Ana Carolina Medeiros, diretora de relacionamento da empresa, “já estão batidas”. 

O grupo se dedicou a criação do que Medeiros chama de lives interativas: em vez de assistir a uma transmissão impessoal e pouco interativa, o espectador tem uma experiência dinâmica através de um kit físico entregue na sua casa. “A ideia é transportar a experiência do presencial pró on-line”, explica. 

Leia também

A transição não foi fácil. Medeiros conta que, na primeira semana de distanciamento social em todo o país, cerca de 200 eventos da empresa foram cancelados. A equipe entrou em desespero. “Peguei, sentei todo mundo em uma call para discutir: o que faríamos para nos adaptar e inovar?”   

O resultado, no final das contas, foi positivo. Até o final de 2020, a MM Eventos realizou mais de 700 eventos, nas modalidades 100% on-line e alguns semi-presenciais, que contavam com parte da equipe em estúdio. A lista vai desde convenções e feiras a festas de fim de ano e lançamentos de produtos. 

A quantidade de pessoas varia conforme a empresa que solicita o serviço. Algumas, menores, requerem 50 kits. Outras, mais ousadas, chegaram a reunir duas mil pessoas em uma feira, com cada uma delas recebendo seu kit personalizado. 

Um dos novos projetos, e mais ambiciosos, é a realização de um evento de vários dias com a entrega de um kit preparado especialmente para cada dia. Segundo Medeiros, a sensação de experiência personalizada é decisiva para enfrentar o isolamento.

Transição

A empresa de João Geo, que estava acostumada a fazer eventos comemorativos, foi uma das que buscou se reinventar em meio a pandemia. A Seguradora Pottencial, com sede em Belo Horizonte (MG), “tinha essa cultura da festa”, diz o CEO

Além de ser um raro exemplo de empreendimento que registrou alta de faturamento durante a pandemia, a Pottencial também inovou com a sua tradicional festa de fim de ano.

A comemoração, que em 2020 alcançou mais de mil pessoas, foi totalmente virtual, mas igualmente importante para a equipe. Os dois eventos, um para os clientes e outro para a equipe, contaram com a participação do cozinheiro Leo Paixão em uma chamada de vídeo coletiva.


“Cozinheiro com Paixão”

Batizada de “Cozinhando com Paixão”, a organização da live enviou kits de culinária com ingredientes para a elaboração de pratos dirigidos pelo cozinheiro. Foi um momento de reunião familiar que, segundo Geo, “ajudou a manter nossa cultura viva”.

Ele conta que, além da tentativas de manter vivo o espírito da equipe, a empresa também adotou medidas de cuidado da saúde mental de seus funcionários. Semanalmente, a equipe de RH entra em contato com cada um dos trabalhadores, de todos os setores, para oferecer assistência psicológica e, até, física. “Às vezes o cara não tem um notebook bom, um suporte para se manter ereto na cadeira… E é dever da empresa fornecer esta estrutura para o funcionário, né?”, diz o presidente. 

A Pottencial também ofereceu assistência com psicólogos para seus funcionários e uma cartilha de “boas práticas no home office”. 

Para o futuro 

Medeiros crê que o mercado de eventos comece a engatinhar rumo ao que era antes da pandemia em julho deste ano. Os eventos presenciais, “com aquela aglomeração gostosa”, ela diz, só retornarão na medida em que a população se vacinar massivamente.

Ainda assim, certos hábitos da pandemia permanecerão. “Vai demorar para largarmos a máscara, o álcool em gel, o medo do abraço”, conta. Ela também espera que o período de isolamento sirva para criar lealdade e união dentro do setor de eventos que, para ela, ainda é muito desunido. 

“Como muitos dos nossos concorrentes quebraram, acho que, pra criar um novo setor de eventos, já que este está destruído, vamos ter que nos organizar melhor e cooperar mais. Em diretrizes, em protocolos, em organizações que defendam os nossos interesses, por que este ainda é um mercado muito desunido, muito traiçoeiro”, diz. 

Comentários no Facebook